Saltar para o conteúdo principal da página

Casa dos Ferrazes Bravos - detalhe

Designação

Designação

Casa dos Ferrazes Bravos

Outras Designações / Pesquisas

Casa dos Maias / Casa dos Ferrazes Bravos / Casa dos Maias(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Casa

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Porto / Porto / Cedofeita, Santo Ildefonso, Sé, Miragaia, São Nicolau e Vitória

Endereço / Local

Rua das Flores
Porto

Número de Polícia: 31 a 39

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 45/93, DR, I Série-B, n.º 280, de 30-11-1993 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Mais conhecida por Casa dos Maias, nome da última família que a habitou, esta casa apalaçada foi construída ainda no século XVI, pelo fidalgo Martim Ferraz, descendente de uma família nobre do Entre Douro e Minho, na Rua de Santa Catarina das Flores, topónimo da artéria manuelina depois simplificado para Rua das Flores, onde até então estavam as hortas do Bispo do Porto. Esta rua seria uma das principais vias da cidade, onde se edificaram muitas moradias senhoriais. Os Ferrazes Bravo, por consórcio da família Ferraz com o também fidalgo Manuel Bravo, foram proprietários da casa até ao século XIX, altura em que foi adquirida por Domingos de Oliveira Maia. Trata-se de um amplo edifício com loja, sobreloja e andar nobre, cuja feição quinhentista foi radicalmente alterada por obras setecentistas. Na fachada principal, de linhas barrocas, rasgam-se oito janelões sobrepujados por frontões triangulares, com varandas de ferro forjado, sobre igual número de janelas da sobreloja, duas das quais ficam parcialmente obstruídas pelas grandes pedras de armas que figuram os brasões partidos dos Bravos e Ferrazes, enquadrando os dois portais centrais. Estes brasões são constituídos por escudos de armas que podem ser quinhentistas, embora estejam montados numa estrutura ornamental composta por volutas e enrolamentos barrocos, talvez em resultado das intervenções realizadas no século XVIII. Sobressai ainda, como característica particular desta fachada, o beiral muito saliente, assente numa série de cachorros em granito. No interior, a casa possui uma larga escadaria em granito, com dois lanços laterais e um lanço central, em cujo corrimão se apoiam seis colunas elevadas até ao piso nobre. Nos salões existem tectos de estuque trabalhado. A planta do conjunto é em U, definindo um pátio nas traseiras, pavimentado em lajes de granito, onde terá existido uma fonte barroca, da qual resta a taça e o grande golfinho que serviria de bica. Data da época das obras de renovação do imóvel, certamente meados do século XVIII, a construção de uma capela no pátio, atribuída ao risco do artista italiano Nicolau Nasoni. A capelinha, de planta octogonal, era revestida a talha, mais tarde recolocada na capela da Quinta do Vale de Abraão, em Lamego, pertencente aos mesmos proprietários. SML

Imagens

Bibliografia

Título

Casas senhoriais do Porto - a casa dos Maias, Sep. de O Tripeiro, Série Nova - Ano IX / nº 9, Porto, Junho / Julho 1990, pp. 266 - 272

Local

Porto

Data

1990

Autor(es)

SOUSA, Francisco Luís Pereira de, ARSÉNIO, Casimiro S.