Saltar para o conteúdo principal da página

Palácio do Conde de Óbidos, actualmente sede nacional da Cruz Vermelha Portuguesa - detalhe

Designação

Designação

Palácio do Conde de Óbidos, actualmente sede nacional da Cruz Vermelha Portuguesa

Outras Designações / Pesquisas

Palácio onde está instalada a Cruz Vermelha Portuguesa / Palácio do Conde de Óbidos / Cruz Vermelha Portuguesa(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Palácio

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Lisboa / Estrela

Endereço / Local

Rua Presidente Arriaga
Lisboa

Jardim 9 de Abril
Lisboa

Número de Polícia: 1-3

Escadaria José António Marques
Lisboa

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 45/93, DR, I Série-B, n.º 280, de 30-11-1993 (ver Decreto)
Edital N.º 40/88 de 19-??-1988 da CM de Lisboa
Despacho de homologação de 12-11-1987 da Secretária de Estado da Cultura
Parecer de 12-11-1987 do Conselho Consultivo do IPPAR a propor a classificação como IIP
Proposta de classificação de 9-06-1986 da CVP

ZEP

Portaria n.º 512/98, DR, I Série-B, n.º 183, de 10-08-1998 (sem restrições) (ZEP do Museu Nacional de Arte Antiga e dos imóveis classificados na sua área envolvente) (ver Portaria)
Edital n.º 3/97 de 8-05-1996 da CM de Lisboa
Despacho de homologação de 20-03-1980 do Secretário de Estado da Cultura
Parecer favorável de 20-03-1980 da COISPCN
Proposta de 8-11-1977 da DGEMN para a ZEP do Edifício do Museu Nacional de Arte Antiga e outros imóveis

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Actualmente sede nacional da Cruz Vermelha Portuguesa, o palácio é um imóvel da segunda metade do séc. XVII que vem sofrendo profundas intervenções de restauro e conservação desde o terramoto de 1755. Predomina uma concepção de interior romântico, bem visível nos revestimentos azulejares, nos tectos pintados e apainelados e nos revestimentos das paredes. Da construção seiscentista subsiste, pouco alterada, a fachada nobre, a N, onde se destaca o portal coroado pelaa armas da família Óbidos-Sabugal, sustentadas por anjos tenentes. Conservam-se os painéis de azulejos azuis e brancos da primeira metade do século XX formando rodapé ao longo da fachada e no interior, onde ainda se destacam alguns tectos pintados da mesma época, e silhares de azulejos seiscentistas. Importa salientar a importância da sua inserção urbana num conjunto de reconhecida importância cultural e paisagista. SML

Imagens