Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja de Nossa Senhora da Conceição - detalhe

Designação

Designação

Igreja de Nossa Senhora da Conceição

Outras Designações / Pesquisas

Igreja do Antigo Convento de São Francisco / Convento de São Francisco / Convento de São Frutuoso / Igreja Paroquial de Nossa Senhora da Conceição (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Castelo Branco / Covilhã / Covilhã e Canhoso

Endereço / Local

- -
Covilhã

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 1/86, DR, I Série, n.º 2, de 3-01-1986 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A fundação original do Convento de São Francisco remonta ao século XIII, situando-se então na zona este da vila. No entanto, cerca de 1285 um contrato celebrado entre o convento e Martim Enes, respeitante ao chafariz do claustro, comprova que nesta data o convento se encontrava já edificado na sua actual localização. As obras do convento arrastaram-se ao longo dos séculos, e cerca de 1385 a igreja não possuía ainda cobertura. Nos finais do século XV, inícios do século XVI o convento era objecto de algumas obras, das quais subsiste actualmente a estrutura interior do templo. No final do século XVIII a fachada seria completamente remodelada, e em 1834, em observância à Lei da Extinção das Ordens Religiosas, a comunidade franciscana da Covilhã era desintegrada. Depois da sua extinção, o convento foi adquirido pelo industrial José Mendes Veiga, que adaptou o espaço a fábrica de lanifícios. Mais tarde, o edifício seria demolido, dando lugar a um jardim público. Apenas a igreja do convento, cujo orago é dedicado a Nossa Senhora da Conceição, iria permanecer intacta, tornando-se sede de paróquia.
A igreja do convento mostra uma estrutura muito heterogénea, resultado de ter sido objecto de diversas obras de reformulação. Interiormente, o templo é de feição manuelina, com nave única, dividida em três tramos, arcos torais de volta perfeita e coberta por abóbada polinervada. Os braços do transepto são ocupados pelas capelas tumulares da família Castro, e a igreja possui ainda coro-alto em cantaria com cobertura inferior em abóbada estrelada. Um arco quebrado abre para a capela-mor, cujas paredes são revestidas por talha dourada e painéis alusivos à vida de São Francisco e a cobertura é feita por tecto de caixotões pintados com cenas da vida de Cristo; todas estas pinturas foram executadas no ano de 1700 por uma oficina regional dirigida pelo mestre Manuel Pereira. Ao centro possui retábulo-mor, também em talha dourada.
Exteriormente, a igreja apresenta planta longitudinal em cruz latina, com transepto saliente, e torre sineira de planta quadrada adossada à fachada principal. Do templo original conservou-se na fachada o portal, em arco quebrado, com quatro arquivoltas e capitéis decorados com motivos geométricos e vegetalistas estilizados. No segundo registo foram rasgadas quatro janelas, de moldura em arco quebrado, executadas na campanha de obras setecentista. Da fachada destaca-se a torre sineira e o frontão que coroa a fachada principal, contracurvado, albergando ao centro nicho com imagem da padroeira.
Catarina Oliveira
IPPAR/2003

Imagens

Bibliografia

Título

Subsídios para a Monographia da Covilhan

Local

-

Data

1899

Autor(es)

CARVALHO, António

Título

Historia Serafica da Ordem dos Frades Menores de S. Francisco na Provincia de Portugal.

Local

-

Data

-

Autor(es)

SOLEDADE, Frei Fernando da, ESPERANCA, Frei Manuel da