Saltar para o conteúdo principal da página

Capela de Nossa Senhora da Apresentação, anexa à Igreja Paroquial de Carrazedo - detalhe

Designação

Designação

Capela de Nossa Senhora da Apresentação, anexa à Igreja Paroquial de Carrazedo

Outras Designações / Pesquisas

Capela da Tapada / Igreja Paroquial de Carrazedo / Igreja de São Martinho (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Capela

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Braga / Amares / Carrazedo

Endereço / Local

-- anexa à igreja paroquial de Carrazedo
Carrazedo

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 516/71, DG, I Série, n.º 274, de 22-11-1971 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A capela de Nossa Senhora da Apresentação situa-se no interior da igreja paroquial de Carrazedo. Abre-se para a nave através de um arco de volta perfeita, em cantaria, encontrando-se, actualmente, sem qualquer elemento decorativo digno de nota, à excepção da dupla inscrição em latim e português, na parede fundeira, sob a janela. Trata-se de um espaço de dimensões reduzidas, pautado por uma extrema depuração, mas que ganha especial interesse por se acreditar que aqui repousem os restos mortais do poeta renascentista Sá de Miranda.
A sua sepultura encontra-se no pavimento, sob uma grade pedra rasa, juntamente com a de sua mulher, D. Briolanja Azevedo. Este espaço é também conhecido por Capela da Tapada, possivelmente em virtude de Sá de Miranda ter habitado a denominada Casa da Tapada, em Amares.
Não se conhece a data da sua edificação, embora diversos autores refiram que foi o filho do poeta o encomendador da capela. Jerónimo de Sá de Azevedo foi fidalgo da Casa Real, senhor da Casa da Tapada e da Honra de Avessadas, tendo, eventualmente, mandado construir uma capela dedicada a Nossa Senhora da Apresentação, para mausoléu de seu pai.
As poucas informações disponíveis não nos permitem perceber se o programa original era mais complexo em relação ao que chegou até nós. Mas é possível que sim, uma vez que a igreja paroquial foi objecto de uma profunda remodelação em 1750, que poderá ter alterado não a estrutura da capela mas, eventualmente, o programa decorativo que se lhe encontrava associado.
Em todo o caso, parecem não restar dúvidas sobre a antiguidade quer da capela de Nossa Senhora da Apresentação, quer da de Santa Margarida, também aberta na nave deste templo paroquial e, ao que tudo indica, ainda mais remota que a de Sá de Miranda. Assim, a remodelação de meados do século XVIII conservou as capelas, intervindo apenas na igreja, cuja fachada, de linhas curvas, deixa adivinhar a época em que foi levantada.
Muito embora nos questionemos sobre o programa arquitectónico e decorativo original desta capela, eventualmente mais ambicioso, não poderíamos deixar de citar as palavras de Domingos Silva, na sua Monografia do Concelho de Amares, a propósito desta questão: "É certo que jaz no chão raso e térreo, no estreito recinto da capela da Tapada, de paredes inteiramente desnudadas de altar e ornamentos; não carece, porém, da munificência arquitectónica de monumento sepulcral a emprestar grandeza à que reside na simplicidade da vida e da morte do eminente personagem cujos restos encerra e sempre praticou e apregoou bem alto os seus propósitos de modéstia e recolhimento" (1959, vol. II, p. 248)
(Rosário Carvalho)

Imagens

Bibliografia

Título

Monografia do Concelho de Amares e Terras do Bouro

Local

Amares

Data

1959

Autor(es)

SILVA, Domingos M. da