Saltar para o conteúdo principal da página

Estação Arqueológica Romana de São Lourenço - detalhe

Designação

Designação

Estação Arqueológica Romana de São Lourenço

Outras Designações / Pesquisas

Estação Arqueológica Romana de São Lourenço / Villa Romana de São Lourenço / Tapada de São Lourenço / São Lourenço de Monsantel(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt) / (Ver Ficha em www.arqueologia.patrimoniocultural.pt)

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Villa

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Castelo Branco / Idanha-a-Nova / Monsanto e Idanha-a-Velha

Endereço / Local

EN 239, ao km 23, por caminho público a sudoeste
-

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 26-A/92, DR, I Série-B, n.º 126, de 1-06-1992 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Sítio
A Estação Arqueológica Romana de São Lourenço localiza-se no lugar de São Lourenço, na União de freguesias de Monsanto e Idanha-a-Velha. Integrava-se no território do Conventus Emeritensis, província da Lusitania. Implanta-se a cerca de 2,5 km a noroeste de Monsanto e a 4 km a poente de Medelim, numa região de amplos recursos hídricos e solos de vocação agrícola. A ocidente corre a Ribeira dos Boieiros e a sul a de Monsantela.
Os vestígios detetados correspondem a villa, da qual foi identificado um balneário privado. Apesar de ainda não se encontrar integralmente escavado, já foram registados diversos espaços, destacando-se um tanque circular com três fiadas de degraus em todo o perímetro, revestido a opus signinum, cuja funcionalidade não reúne consenso entre os diversos investigadores. Assim, Maria Pilar Reis considera destinar-se a um frigidarium, enquanto Carlos Banha propõe a possibilidade de se tratar de um lacónio. Segue-se uma divisão com um tanque, igualmente forrado a opus signinum, com dois degraus de acesso pelo lado sul e três pelo lado norte, e duas áreas ainda de funcionalidade indeterminada, a que se junta um compartimento pavimentado a argamassa. É mencionada a presença de diversas canalizações em granito e em chumbo. Outras estruturas parcialmente identificadas poderão fazer parte do complexo termal. A zona posta a descoberto engloba uma superfície de 350 m², sendo expetável que este corresponde-se a um grande edifício de 650 m². A cronologia do balneum não é conhecida, assinalando-se apenas a recolha de uma bulla (medalhão constituído por duas metades unidas) datada do século I d.C..
Diversos autores alertam para a extensa área de dispersão de materiais e até para a existência de estruturas na envolvente direta, tal como o fez Artur Corte Real que, em 1987 detetou um piso em opus signinum e materiais de construção no caminho de acesso.
A cerca de 500 metros para noroeste, entre os sopés das Serras da Moreirinha e dos Alegrios, encontra-se a pequena barragem do Rochoso, de construção romana, cuja reduzida bacia, inabilitada a prover uma exploração agrícola da dimensão compatível com uma villa, aliada a um aqueduto granítico que se dirige às ruínas do balneário, permitem ao investigador Mário Fortes, atribuir-lhe uma funcionalidade ligada ao abastecimento dos referidos banhos. O seu paredão foi edificado em terra e granito e represava águas pluviais e de uma nascente a montante.
Pertence presumivelmente à Antiguidade Tardia um conjunto de quatro sepulcros em pedra, provenientes deste local, três em granito e um em mármore, situados na área que tradicionalmente é atribuído às ruínas de uma Capela de São Lourenço, onde também foram exumadas, em 1920, várias peças balizadas entre o século I e II d.C.. Fazem parte deste espólio três lucernas, uma estatueta feminina, um anel em ouro e alguns recipientes cerâmicos, todas de Época Romana, assim como um diadema que poderá remontar à Idade do Ferro.
História
A ocupação romana em São Lourenço é conhecida, pelo menos, meados do século XVIII, atestada por uma nota do padre Ayres Francisco de Proença e Sylva, datada de 1758, em que alude à identificação de um aqueduto romano que se dirige a São Lourenço de Monsantel, onde têm saído centenas de pedras aparelhadas, e ainda ali existem muitas e muitas enterradas. Nos anos 50 do século passado, a descoberta das sepulturas em pedra e de abundantes vestígios romanos indicavam a D. Fernando de Almeida, Nobre Gusmão e Veiga Ferreira a hipótese de existência uma necrópole romana associada a um templo, posteriormente convertido em capela cristã. As primeiras escavações realizadas datam de 1960, sob a orientação de Graça Moreira, que exumou parte das estruturas do balneum. Nos anos 80 Joaquim Santos realizou aqui duas intervenções que incidiram de igual modo nas estruturas termais.
Ana Vale
DGPC, 2019

Bibliografia

Título

Monsanto, História e Arqueologia

Local

-

Data

1972

Autor(es)

MILHEIRO, Maria Manuela

Título

Castelo Branco e sua Região

Local

Castelo Branco

Data

1980

Autor(es)

NUNES, António Pires

Título

Antiguidades de Monsanto da Beira, Revista de Guimarães

Local

-

Data

1956

Autor(es)

FERREIRA, Octávio da Veiga, ALMEIDA, Fernando de

Título

Barragens Romanas do Distrito de Castelo Branco, Conimbriga, XXXIV

Local

-

Data

1995

Autor(es)

CARDOSO, João Luís, MASCARENHAS, José Manuel, QUINTELA, António de Carvalho

Título

A xestión da auga na paisaxe romana do occidente peninsular

Local

-

Data

2008

Autor(es)

FORTES, Mário

Título

Las termas y balnea romanos de Lusitania, STVDIA LVSITANA

Local

Mérida

Data

2004

Autor(es)

REIS, Maria Pilar

Título

Relatório dos Trabalhos Arqueológicos - São Lourenço

Local

-

Data

1960

Autor(es)

MOREIRA, Maria da Graça de Carvalho

Título

Relatório de Trabalhos Arqueológicos - Estação Arqueológica de São Lourenço

Local

-

Data

1985

Autor(es)

SANTOS, Joaquim Manuel Batista dos