Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja de Nossa Senhora da Conceição, matriz de Vila Viçosa - detalhe

Designação

Designação

Igreja de Nossa Senhora da Conceição, matriz de Vila Viçosa

Outras Designações / Pesquisas

Igreja Matriz de Vila Viçosa / Antiga Igreja de Santa Maria do Castelo / Igreja Paroquial de Vila Viçosa / Igreja de Santa Maria do Castelo / Igreja de Nossa Senhora da Conceição / Santuário de Nossa Senhora da Conceição, Rainha e Padroeira de Portugal(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Évora / Vila Viçosa / Nossa Senhora da Conceição e São Bartolomeu

Endereço / Local

Largo do Castelo
Vila Viçosa

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 33 587, DG, I Série, n.º 63, de 27-03-1944 (ver Decreto)

ZEP

Despacho de 6-01-2014 da diretora-geral da DGPC a devolver o processo à DRC do Alentejo para reanálise
Proposta de 18-11-2013 da DRC do Alentejo para alteração da ZEP, no sentido de serem introduzidas restrições
Portaria n.º 527/2011, DR, 2.ª série, n.º 88, de 6-05-2011 (com ZNA) (como o Centro Histórico de Vila Viçosa não está classificado, fixou a ZEP conjunta dos imóveis classificados e em vias de classificação do centro histórico de Vila Viçosa e revogou o diploma anterior) (ver Portaria)
Portaria n.º 223/2010, DR, 2.ª série, n.º 57, de 23-03-2010 (fixou a ZEP conjunta do Centro Histórico de Vila Viçosa) (ver Portaria)
Despacho de homologação de 12-06-2007 da Ministra da Cultura
Parecer favorável de 31-05-2006 do Conselho Consultivo do IPPAR
Proposta de 21-02-2006 da DR de Évora

Zona "non aedificandi"

Portaria n.º 527/2011, DR, 2.ª série, n.º 88, de 6-05-2011
Portaria n.º 223/2010, DR, 2.ª série, n.º 57, 23-3-2010

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A igreja de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa, que era comenda da Ordem de Avis, foi edificada entre 1569 e 1606 (embora ainda se registem notícias de trabalhos a decorrer em 1642), por ordem do rei D. Sebastião. Foram mestres de pedraria e, muito possivelmente, autores do risco, Gonçalo Dias de Carvalho e Paulo Afonso, dirigindo as obras António Gomes Soares (ESPANCA, 1978). Substituía-se, assim, a pequena igreja medieval existente no castelo por esta, de grandes dimensões, que se impunha isoladamente na praça de armas. Poucos anos depois, em 1646, este templo transformou-se num importante símbolo nacional, quando D. João IV entregou o reino nas mãos de Nossa Senhora da Conceição, desde então Padroeira de Portugal. A sua imagem, presente nesta igreja, recebeu a coroa dos reis de Portugal, que nunca mais a voltaram a usar.
Não há notícias de campanhas de obras no corpo do templo até à segunda metade do século XVIII, embora as capelas tenham sido objecto de intervenções decorativas que lhes conferiram uma linguagem maneirista e barroca.
Mais tarde, o Terramoto de 1755 provocou fortes danos, entre os quais se destaca a queda da abóbada de ogivas, que provocou a morte a vinte e nove mulheres. Os trabalhos de recuperação foram muito lentos e feitos parcialmente, pelo que no século XIX ainda se procedia à reedificação da fachada, apenas concluída cerca de 1870.
Apesar das intervenções de que foi objecto, em consequência do Terramoto, a igreja de Vila Viçosa revela, ainda, alguns pontos de contacto com a igreja maneirista de Santa Maria de Estremoz.
De planta longitudinal, a igreja apresenta três naves de cinco tramos com arcaria suportada por colunas dóricas, capelas laterais, e capela-mor mais estreita, flanqueada por absidíolos. A fachada, rematada por frontão triangular, é seccionada por pilastras de cantaria, que se prolongam pelo tímpano do frontão, definindo três panos. O central é mais largo, mas todos eles são marcados pela abertura de um portal de verga recta e por uma janela rectangular. O eixo principal é ainda mais acentuado por uma janela quadrangular que se abre no tímpano. À esquerda, e num plano ligeiramente recuado, ergue-se a torre sineira, com cunhais de cantaria e remate em coruchéu.
No interior do templo merece especial referência a capela-mor, com abóbada de cruzaria de ogivas de cerca de 1570 (não foi destruída pelo Terramoto) e com retábulo-mor, de desenho maneirista mas executado em 1716 sob traçado do Padre Manuel Pereira, da Congregação do Oratório (ESPANCA, 1978). No primeiro registo, as pinturas oriundas do Convento das Chagas alusivas à Ressurreição e à Aparição de Cristo à Virgem (porque as originais desapareceram) enquadram a tribuna com a imagem de Nossa Senhora da Conceição. Correspondem-lhes, no registo seguinte, e também separadas por colunas estriadas de capitéis compósitos, o Presépio e a Apresentação da Virgem no templo, com Cristo Crucificado, ao centro. Termina em semicírculo, com o brasão e a coroa real sobre o medalhão representando a Virgem.
Algumas das capelas laterais, que revelam grande unidade decorativa, com azulejos seiscentistas, com pinturas murais na abóbada e retábulos de talha dourada, também do século XVII. Entre elas, destaca-se a capela do Santíssimo Nome de Jesus, que apresenta panos murários revestidos por painéis de azulejo assinados por Policarpo de Oliveira Bernardes, pintura mural na abóbada e retábulo de talha dourada, barroco.
(Rosário Carvalho)

Imagens

Bibliografia

Título

Memórias de Vila Viçosa, vol. IV

Local

Vila Viçosa

Data

1987

Autor(es)

ESPANCA, Pe. Joaquim da Rocha

Título

Inventário Artístico de Portugal - vol. IX (Distrito de Évora, Zona Sul, volume I)

Local

Lisboa

Data

1978

Autor(es)

ESPANCA, Túlio

Título

«Matriz de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa», A Cidade de Évora, nº 55, pp. 221 - 238

Local

Évora

Data

1973

Autor(es)

ESPANCA, Túlio

Título

A arquitectura manuelina

Local

Vila Nova de Gaia

Data

2009

Autor(es)

DIAS, Pedro

Título

A Igreja de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa. O projecto quinhentista à luz da campanha de obras da Restauração, Monumentos, nº 27, pp. 106-115

Local

Lisboa

Data

2007

Autor(es)

SOROMENHO, Miguel