Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja matriz de Redinha - detalhe

Designação

Designação

Igreja matriz de Redinha

Outras Designações / Pesquisas

Igreja de Nossa Senhora da Conceição, matriz de Redinha / Igreja Paroquial de Redinha / Igreja de Nossa Senhora da Conceição(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Leiria / Pombal / Redinha

Endereço / Local

Largo da Igreja Matriz
Redinha

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 39 521, DG, I Série, n.º 21, de 30-01-1954 (ver Decreto)

ZEP

Portaria n.º 737/2005, DR, II Série, n.º 132, de 12-07-2005 (sem restrições) (ver Portaria)
Portaria publicada no DG, 2.ª Série, n.º 140, de 17-06-1959

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Redinha é uma igreja do ciclo manuelino que presumivelmente substituiu outra, anterior, devida aos templários (primeiros senhores da povoação e que aqui terão edificado um recinto militar), da qual nada hoje resta. O templo que se conhece começou a ser construído nos primeiros anos do século XVI. Em 1503 temos a primeira referência à obra e consta de uma conclusão do visitador, que pretendeu obrigar o comendador da Redinha, D. Luís de Vasconcelos e Sousa, a reparar a capela-mor, ao mesmo tempo que o corpo do templo devia ser mantido pelos fregueses da paróquia. O estado de ruína em que o monumento se deveria encontrar não motivou uma acção reconstrutiva imediata, pelo que a obrigação de se efectuarem obras foi renovada a 15 de Março de 1508, em nova visitação ao local.
É o resultado de uma campanha de obras que se seguiu a essas referências cronológicas que podemos hoje observar. O monumento é composto por nave única e capela-mor quadrangular, sendo o corpo enriquecido por duas capelas e torre sineira de provável construção posterior (séc. XVII), em cujo piso térreo se abre a capela baptismal. A fachada principal concentrou o essencial do projecto manuelino, em particular ao nível do portal, de arco festonado, assente em colunas torsas e decorado com elementos florais. Na fachada meridional, uma galilé evidencia o carácter de passagem da localidade, a caminho de Coimbra. No interior, destaca-se a decoração renascentista de uma das capelas.
PAF

Imagens

Bibliografia

Título

Manuelino. À descoberta da arte do tempo de D. Manuel I

Local

Lisboa

Data

2002

Autor(es)

DIAS, Pedro