Saltar para o conteúdo principal da página

Azenha de Santa Cruz - detalhe

Designação

Designação

Azenha de Santa Cruz

Outras Designações

-

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Azenha

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Torres Vedras / Silveira

Endereço / Local

Praia de Santa Cruz
Santa Cruz

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 67/97, DR, I Série-B, n.º 301, de 31-12-1997 (ver Decreto)
Edital N.º 55/90 de 1-06-1990 da CM de Torres Vedras
Despacho de homologação de 16-04-1990 do Secretário de Estado da Cultura
Parecer de 27-03-1990 do Conselho Consultivo do IPPC a propor a classificação como IIP
Proposta de classificação de 18-07-1986 do IPPC
Proposta de classificação de 9-09-1983 da ADDPCTV

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A Azenha de Santa Cruz, situada junto da praia do mesmo nome, em Torres Vedras, foi edificada no século XVI, e laborou até meados do séc. XX. A primeira referência que lhe é conhecida, datada da centúria da construção, nomeia-a como azenha de Santa Cruz de Ribamar, em alusão à arriba marítima na qual se implanta. No início de Quinhentos, Santa Cruz de Ribamar era um lugar deserto, onde apenas se erguia a capelinha medieval que antecedeu a actual capela de Santa Cruz. A azenha então erguida era de propulsão superior, constituída por uma série de volumes articulados com coberturas de telha, cada um correspondente a um compartimento do engenho. A água, proveniente de um ribeiro desviado, chegava ao moinho através de um canal apoiado em muro corrido, e fazia girar pelo menos duas rodas em madeira, das quais se conserva ainda uma, e vestígios da segunda. A roda que resta possui 38 penas ou penaços , onde caía a água, fazendo girar o carreto na rela, uma peça de granito encravada numa trave móvel de madeira, em forma de forquilha, o urreiro . Esta peça ligava-se enfim às mós, ainda visíveis no piso sobrado da azenha.
Para além do valor histórico e das peculiaridades arquitectónicas da azenha, esta representa ainda um importante testemunho social, económico e cultural da região. Actualmente, a Azenha de Santa Cruz reúne um conjunto de valências, entre as quais um Centro Interpretativo que conta a história do edifício, da moagem do cereal e do fabrico do pão. Um projecto cultural, inaugurado a 21 de Junho de 2009, com o objectivo de promover as tradições e a divulgação da memória e da cultura popular, acolhe ainda os serviços do Posto de Turismo e da Biblioteca da Praia de Santa Cruz. SML

Imagens