Saltar para o conteúdo principal da página

Capela de São Tomás de Aquino - detalhe

Designação

Designação

Capela de São Tomás de Aquino

Outras Designações / Pesquisas

Ermida de São Tomás de Aquino / Capela de São Tomás de Aquino(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Capela

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Setúbal / Almada / Caparica e Trafaria

Endereço / Local

Estrada da Quinta Nova
Entre a Torre e a Fonte Santa

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 2/96, DR, I Série-B, n.º 56, de 6-03-1996 (ver Decreto)
Edital N.º 28/93 de 3-05-1993 da CM de Almada
Edital N.º 45/91 de 10-12-1991 da CM de Almada
Despacho de homologação de 15-04-1977 do Secretário de Estado da Investigação Científica
Parece de 1-04-1977 da 4.ª Subsecção da 2.ª Secção da JNE a propor a classificação como IIP
Proposta de classificação de 30-12-1976 da DGEMN
Em 17-05 a CNAPAE enviou documentação sobre o imóvel

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Edificada nas primeiras décadas do século XVI pelos Noronha, senhores da Quinta da Torre, a Capela de São Tomás de Aquino é um exemplar de ermida rural manuelina, fazendo parte de um conjunto de pequenos templos integrados em propriedades senhoriais ou monacais (SILVA, Francisco, 1996, p. 204), como a Ermida de São Sebastião, no Alvito, a Capela de São Jerónimo, no Restelo, ou a Ermida de Nossa Senhora da Piedade, na Póvoa de Santa Iria.
Estes templos, embora estivessem inseridos no espaço das quintas, eram construídos numa zona afastada da casa principal, ou do espaço do mosteiro, normalmente no meio de um bosque ou jardim, que se apresentava como "(...) o lugar perfeito para o culto e a oração." (MANGUCCI, Celso, 1998, p.44).
Esta pequena capela foi utilizada durante muito tempo como oratório particular da Quinta da Torre, ficando bastante danificada durante o terramoto de 1755. A família proprietária nunca empreendeu uma reconstrução do templo, pelo que a sua degradação foi-se acentuando nas centúrias seguintes.
O templo desenvolve-se em planimetria rectangular, constituída pelos espaços justapostos da nave e da capela-mor. A fachada, muito degradada, apresenta um portal de gosto manuelino ladeado por quatro colunelos e encimado por um óculo.
A nave, de espaço único, seria originalmente coberta por duas abóbadas, que terão caído durante o terramoto. Subsistem as mísulas de descarga, que apresentam vestígios de pintura, e as pedras de fecho das abóbadas, encontradas durante escavações realizadas no local em 1979, decoradas por motivos vegetalistas, florões, gomos, e uma efígie de um guerreiro ou rei da Antiguidade.
Um arco de volta perfeita, decorado com motivos vegetalistas, abre para a capela-mor. Este espaço, coberto por abóbada polinervada, alberga junto à parede fundeira o altar, cuja frente é revestida por azulejos enxaquetados verdes e brancos, numa tipologia utilizada na segunda metade do século XVI (MECO, José, 1985, p. 22).
A Capela de São Tomás de Aquino mostra, à semelhança de muitos templos edificados ao longo das três primeiras décadas do século XVI, uma simbiose entre as estruturas manuelinas e uma decoração de gosto clássico, com motivos ao romano, criando um espaço que, embora seja ecléctico, se apresenta bastante harmonioso.
Catarina Oliveira
GIF/IPPAR/ 19 de Maio de 2005

Imagens

Bibliografia

Título

Azulejaria Portuguesa

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

MECO, José

Título

Capela de São Tomás de Aquino, in Al-madan, IIª série, nº 5

Local

Almada

Data

1996

Autor(es)

SILVA, Francisco

Título

Quinta de Nossa Senhora da Piedade - história do seu palácio jardins e azulejos

Local

Vila Franca de Xira

Data

1998

Autor(es)

MANGUCCI, Celso