Saltar para o conteúdo principal da página

Prédio na Avenida da República, 87 - detalhe

Designação

Designação

Prédio na Avenida da República, 87

Outras Designações / Pesquisas

Edifício na Avenida da República, n.º 87(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Edifício

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Lisboa / Avenidas Novas

Endereço / Local

Avenida da Republica
Lisboa

Número de Polícia: 87

Proteção

Situação Actual

Desclassificado - sem protecção legal

Categoria de Protecção

Não aplicável

Cronologia

Portaria n.º 529/2011, DR, 2.ª Série, n.º 89, de 9-05-2011 (desclassificação) (ver Portaria)
Despacho de homologação de 9-12-2010 do Secretário de Estado da Cultura
Em 19-01-2007 foi promovida a consulta da CM de Lisboa e da proprietária sobre a eventual desclassificação
Despacho de concordância de 23-11-2006 do presidente do IPPAR
Parecer favorável de 4-10-2006 do Conselho Consultivo do IPPAR
Proposta de desclassificação de 2005 da DR de Lisboa, por o interior do imóvel ter ruído
Pedido de desclassificação de 23-01-1984 do proprietário, por se encontrar em ruínas
Decreto n.º 129/77, DR, I Série, n.º 226, de 29-09-1977 (classificou como IIP) (ver Decreto)
Edital N.º 96/75 de 16-09-1975 da CM de Lisboa
Despacho de homologação de 24-01-1975 do Secretário de Estado da Cultura e Educação Permanente
Parecer de 24-01-1975 da 4.ª Subsecção da 2.ª Secção da JNE a propor a classificação como IIP
Proposta de classificação de 14-01-1975 da DGAC

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Este é um edifício típico das Avenidas Novas, e característico do estilo Arte Nova de finais do século XIX e início do XX, dentro das tipologias da habitação burguesa lisboeta. Com projecto de 1906, foi construído por J. Rodrigues Pietro, tal como o prédio vizinho, que ocupa os números 89 e 89-A da Avenida da República. Não sendo, nem um nem outro, exemplares particularmente destacáveis dentro da arquitectura da época e do seu estilo, formavam no entanto um conjunto muito interessante para a caracterização desta zona privilegiada de expansão da cidade oitocentista.
Na sua globalidade, o edifício do n.º 87 é o mais harmonioso dos dois, tanto no que respeita às escala e composição, como a nível da ornamentação. A feição Arte Nova é particularmente visível nos estuques e cantarias da fachada, com o seu friso azulejar e o uso do ferro forjado, trabalhado em linhas sinuosas que se repetem na escadaria e no corrimão do interior. Destacam-se ainda as amplas janelas do segundo e terceiro pisos, coroadas respectivamente por um arco abatido e um arco de volta perfeita.
Apesar desta apreciação, o imóvel foi infelizmente muito desfigurado ao longo das últimas décadas. À ruína total do interior, reconstruído em 2000, seguiram-se diversas alterações de monta na fachada, incluindo a construção de uma pequena "torre" sobre o corpo da esquerda, e a substituição das caixilharias de madeira por outras em alumínio. Desta forma, considera-se que o actual edifício não faz jus às razões estéticas, formais e contextuais que ditaram a sua prévia classificação.
Sílvia Leite / DIDA - IGESPAR, I.P. / 2011

Imagens