Saltar para o conteúdo principal da página

Cinema Império, também denominado «Cine-Teatro Império», incluindo todas as obras de arte que integram os seus interiores - detalhe

Designação

Designação

Cinema Império, também denominado «Cine-Teatro Império», incluindo todas as obras de arte que integram os seus interiores

Outras Designações / Pesquisas

Cinema Império / Cine-Teatro Império (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Cinema

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Lisboa / Arroios

Endereço / Local

Avenida Almirante Reis
Lisboa

Número de Polícia: 205-205 E

Rua Quirino da Fonseca (antiga Rua Alves Torgo)
Lisboa

Número de Polícia: 28-28 B

Alameda D. Afonso Henriques
Lisboa

Número de Polícia: 35-35 C

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 2/96, DR, I Série-B, n.º 56, de 6-03-1996 (ver Decreto)
Despacho de concordância de 30-08-1991 do Secretário de Estado da Cultura
Novo parecer de 20-06-1991 do Conselho Consultivo do IPPC a propor que se mantenha o processo de classificação como IIP
Novo parecer de 2-08-1990 do Conselho Consultivo do IPPC a propor que se prossiga o processo de classificação como IIP
Edital N.º 133/89 de 2-10-1989 da CM de Lisboa
Despacho de homologação de 1-08-1989 da Secretária de Estado da Cultura
Parecer de 27-07-1989 do Conselho Consultivo do IPPC a propor a classificação como IIP
Proposta de classificação de 30-05-1989 do IPPC

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Edificio de traço arquitectónico modernista, projectado por Cassiano Branco em 1947, foi terminado em 1952. Estrutura-se através de planta rectangular, bloco único, cujo alçado principal, que se encontra virado a Norte (precedido de escadaria) é definido espacialmente através de uma ampla estrutura envidraçada que acompanha o primeiro registo da construção. A gramática decorativa da fachada traduz-se em linhas verticais coroadas por esferas armilares em ferro forjado. O espaço interno orienta-se em torno de corredores de passagem, que fazem ligação entre os três pisos e a sala de espectáculos. A corrobar a linguagem plástica, modernista, patente nesta obra, destaca-se o painel cerâmico de Jorge Barradas, que decora o restaurante do piso térreo. Actualmente, é a sede da Igreja Universal do Reino de Deus.

Imagens

Bibliografia

Título

Arquitectura Moderna Portuguesa 1920-1970. Um Património a Conhecer e Salvaguardar

Local

Lisboa

Data

2004

Autor(es)

AA.VV.

Título

Arquitectura Moderna e Obra Global a partir de 1900

Local

Porto

Data

2009

Autor(es)

TOSTÕES, Ana