Saltar para o conteúdo principal da página

Conjunto de sepulturas escavadas em rocha a noroeste das muralhas de Trancoso - detalhe

Designação

Designação

Conjunto de sepulturas escavadas em rocha a noroeste das muralhas de Trancoso

Outras Designações / Pesquisas

Necrópole do Tribunal / Necrópole de Trancoso / Conjunto de sepulturas escavadas na rocha, a noroeste das muralhas de Trancoso(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Conjunto

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Guarda / Trancoso / Trancoso (São Pedro e Santa Maria) e Souto Maior

Endereço / Local

Largo do Tribunal
Trancoso

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 95/78, DR, I Série, n.º 210, de 12-09-1978 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Localizado na proximidade da cerca muralhada de Trancoso, e mais propriamente junto às "Portas do Prado" e do "Cruzeiro do Senhor da Boa Morte", o "Conjunto de sepulturas escavadas em rocha" foi talhado de modo destacado em afloramentos graníticos existentes num recinto ao ar livre, formando alinhamentos paralelos em pleno perímetro urbano do centro histórico da cidade.
Na verdade, estamos perante uma das maiores necrópoles medievais escavadas na rocha identificadas até ao momento no actual termo deste concelho.
A estação arqueológica é constituída por catorze sepulturas antropomórficas, duas não antropomórficas e sete de configuração ambígua, dividindo-se os primeiros enterramentos (vide supra) entre sete com cabeceira em arco peraltado, três com cabeceira em arco ultrapassado, outros três com cabeceira em arco de volta perfeita e, finalmente, um último exemplar com cabeceira em arco rectangular.
Orientado no sentido Oeste-Este, com um comprimento máximo de aproximadamente dois metros, o sítio destaca-se pela remanescência de uma tampa monolítica, que permitiu obter uma visão mais aproximada de todo o conjunto na sua origem. Mas também sobressai pela existência de um sepulcro de criança, ao mesmo tempo que de um enterramento duplo antropomórfico.
Provavelmente originária do período da Reconquista Cristã, quando "O castelo é uma das mais significativas inovações que a Idade Média introduziu na paisagem portuguesa" (BARROCA, M., 1991, p. 89), a necrópole de Trancoso enquadrar-se-á na baliza cronológica ultimamente estabelecida para as, geralmente, designadas por "sepulturas antropomórficas", entre os séculos VI/VII e o século XI, altura em que começaram em entrar em desuso, apesar de algumas permanências registadas até ao dealbar de trezentos, e da persistência das discussões da comunidade científica nacional quanto a este assunto.
Haverá, em todo o caso, que sublinhar que toda esta polémica decorrerá, antes de mais, da ausência de um contexto estratigráfico e de espólio associado, independentemente das suas causas, conquanto seja visível uma evolução morfológica, eventualmente associada à cronológica, partindo do princípio de que os sepulcros mais antigos se reportarão aos não antropomórficos.
[AMartins]

Imagens

Bibliografia

Título

Terras de Trancoso

Local

Porto

Data

1932

Autor(es)

MOREIRA, David Bruno Soares

Título

Trancoso, terra de sonho e de maravilha

Local

Trancoso

Data

1982

Autor(es)

TEIXEIRA, Irene Avilez

Título

Trancoso. Notas para uma monografia, 2ªed.

Local

Trancoso

Data

1989

Autor(es)

CORREIA, Joaquim Manuel

Título

Castelo da Reconquista ao Castelo Românico (Séc. IX a XII), Portugália

Local

Porto

Data

1991

Autor(es)

BARROCA, Mário Jorge

Título

Contributos para a carta arqueológica do concelho de Trancoso, Beira Interior - História e Património

Local

Guarda

Data

2000

Autor(es)

FERREIRA, M. C.