Saltar para o conteúdo principal da página

Ponte de Gimonde - detalhe

Designação

Designação

Ponte de Gimonde

Outras Designações / Pesquisas

Ponte Velha / Ponte de Gimonde (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Ponte

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Bragança / Bragança / Gimonde

Endereço / Local

-- -
Gimonde

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 29/90, DR, I Série, n.º 163, de 17-07-1990 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Classificada em 1990 como "Imóvel de Interesse Público", a "Ponte de Gimonde" (ou "Ponte velha", como é mais vulgarmente conhecida) ergue-se sobre o Rio Malara. Com acesso pela EN 218, faz a travessia a cerca de oito quilómetros de Bragança, cem metros a montante da ponte de finais de século XIX actualmente em uso.
Na origem, tratar-se-ia de uma estrutura edificada durante o processo de romanização desta região do Noroeste peninsular, integrando a denominada "via XVII", que estabelecia a ligação entre Bracara Augusta (Braga) e Asturica Augusta (Astorga), passando por Aquae Flaviae (Chaves), e que serviria de igual modo os habitantes do "Castro de Gimonde", onde foram identificados e recolhidos inúmeros vestígios de ocupação romana.
Construída primitivamente na matéria prima mais abundante na região - o xisto - argamassado com barro, em opus incertum, poucos serão, na verdade, os seus vestígios remanescentes.
A actual ponte, em alvenaria de xisto, tem seis arcos quase iguais de volta perfeita construídos com aduelas estreitas e compridas em placas de xisto aparelhadas. O seu comprimento é de 144m por uma largura total de 4,5m. De ambos os lados possui cinco talhamares de perfil triangular. O tabuleiro em corcova encontra-se delimitado por guardas de xisto com 0,40m de espessura.
A meio do corpo da ponte estava um grande olhal redondo que serviu para conduzir a água para um moinho que aqui existiu.
Com efeito, esta ponte resulta de uma profunda intervenção conduzida durante o período medievo, numa clara evidência da pertinência dos propósitos que servia e para os quais fora concebida de início, tendo sido então utilizada pelos peregrinos que se deslocavam a Santiago de Compostela.
[AMartins e JAMarques]

Imagens

Bibliografia

Título

Pontes Antigas Classificadas

Local

Lisboa

Data

1998

Autor(es)

RIBEIRO, Aníbal Soares

Título

Tesouros Artísticos de Portugal

Local

Lisboa

Data

1976

Autor(es)

ALMEIDA, José António Ferreira de

Título

Vias romanas das regiões de Chaves e Bragança, Revista de Guimarães

Local

Guimarães

Data

1956

Autor(es)

BARRADAS, Lereno Antunes

Título

Gimonde, O Arqueólogo Português

Local

Lisboa

Data

1900

Autor(es)

LOPO, Albino dos Santos Pereira

Título

Estudos arqueológicos do Major Celestino Beça, O Arqueólogo Português

Local

Lisboa

Data

1915

Autor(es)

ALVES, Francisco Manuel

Título

Apontamentos Arqueológicos

Local

Braga

Data

1987

Autor(es)

LOPO, Albino dos Santos Pereira

Título

Povoamento Romano de Trás-os-Montes Oriental, 6 vols., Dissertação de Doutoramento apresentada à Universidade do Minho

Local

Braga

Data

1993

Autor(es)

LEMOS, Francisco Sande

Título

Memórias arqueológico-históricas do distrito de Bragança: arqueologia, etnografia e arte

Local

Porto

Data

1934

Autor(es)

ALVES, Francisco Manuel