Saltar para o conteúdo principal da página

Forte de São Bruno - detalhe

Designação

Designação

Forte de São Bruno

Outras Designações / Pesquisas

Forte de São Bruno(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Militar / Forte

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Oeiras / Oeiras e São Julião da Barra, Paço de Arcos e Caxias

Endereço / Local

Avenida Marginal
Caxias

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 95/78, DR, I Série, n.º 210, de 12-09-1978 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Depois da Restauração da Independência em 1640, D. João IV verificou a necessidade de reforçar a defesa da costa atlântica, face aos ataques da armada espanhola. Desta forma, os engenheiros militares do reino reestruturaram as fortalezas construídas no século XVI, aumentando a sua capacidade de fogo, e delinearam projectos para novas defesas, que reforçavam a linha de fogo das já existentes.
Em 1647 o monarca determinou que fosse edificado um pequeno forte no lugar de Caxias, destinado a intensificar a defesa da margem direita da barra do rio Tejo, através do cruzamento de fogo com os fortes de Nossa Senhora do Vale e Nossa Senhora de Porto Salvo, e desta forma reforçando a defesa do Forte de São Julião da Barra. D. António Luís de Meneses, conde de Cantanhede e Governador de Armas da Praça de Cascais, seria nomeado como responsável pela obra.
O forte apresenta planimetria poligonal em forma de estrela, que se desenvolve em torno de um pátio central quadrangular, com dois baluartes. A entrada no interior da bateria faz-se por um grande portal de arco pleno ladeado por pilastras, sobre o qual foi colocado o escudo de Portugal com a data 1647. Ao centro do pátio foi construída a casa forte, com cobertura abobadada.
A partir do século XVIII esta fortaleza foi desactivada diversas vezes, devido aos frequentes assoreamentos a que estava sujeita. No início da centúria seguinte ainda integrou as designadas Linhas de Torres, três linhas defensivas formadas por um conjunto de cerca de 150 fortalezas distribuídas entre Torres Vedras e Lisboa, que asseguraram a defesa da capital durante a terceira invasão das tropas napoleónicas.
Depois desta data, o Forte de São Bruno foi desartilhado, e em 1895 seria ocupado pela Administração Geral das Alfândegas. Somente em meados do século XX, entre 1952 e 1958, o forte foi objecto de obras de conservação e restauro.
Catarina Oliveira
GIF/IPPAR/2006

Bibliografia

Título

Monumentos e Edifícios Notáveis do Distrito de Lisboa

Local

Lisboa

Data

1963

Autor(es)

AZEVEDO, Carlos de, FERRÃO, Julieta, GUSMÃO, Adriano de

Título

Plano de Salvaguarda do Património Construído e Ambiental do Concelho de Oeiras

Local

Oeiras

Data

1999

Autor(es)

SOROMENHO, Maria Isabel, RIBEIRO, Cristina Pintassilgo, BATALHA, Elisa Galrão

Título

Fortificações marítimas do concelho de Oeiras

Local

Oeiras

Data

1986

Autor(es)

CALLIXTO, Carlos Pereira

Título

Memórias da linha de Cascais

Local

Cascais

Data

1943

Autor(es)

COLAÇO, Branca de Gonta, ARCHER, Maria

Título

Do rigor teórico à urgência prática: a arquitectura militar, História da Arte em Portugal, vol. 8

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

MOREIRA, Rafael

Título

Oeiras e o complexo histórico-militar de defesa da barra do Tejo, Oeiras - A Terra e os Homens, 1.º Ciclo de Estudos Oeirenses, pp. 169-195

Local

Oeiras

Data

1998

Autor(es)

BARROS, Maria de Fátima Rombouts, BOIÇA, Joaquim Manuel Ferreira