Saltar para o conteúdo principal da página

Estação de arte rupestre de Lamelas - detalhe

Designação

Designação

Estação de arte rupestre de Lamelas

Outras Designações / Pesquisas

Eiras / Gravuras rupestres de Lamelas / Estação de arte rupestre de Lamelas(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Estação

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Vila Real / Ribeira de Pena / Ribeira de Pena (Salvador) e Santo Aleixo de Além-Tâmega

Endereço / Local

-- -
Lamelas

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 1/86, DR, I Série, n.º 2, de 3-01-1986 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Classificada em 1986 como "Imóvel de Interesse Público", a "Estação de arte rupestre de Lamelas" situa-se numa pequena elevação na encosta Noroeste do Alto do Facho, junto à localidade de Ribeira de Pena. O sítio encontra-se nas proximidades de um dos vales fluviais de maior relevância em termos de legado rupestre, certamente mercê das condições particularmente privilegiadas que proporcionava ao nível da mobilidade e da fixação das comunidades humanas ao longo dos tempos e, designadamente, durante a denominada "Pré-história recente", como no caso em epígrafe. É nesta altura que a arte rupestre tende a deixar o interior das grutas para se afirmar ao ar livre, expondo-se em rochas apresentadas a céu aberto
Com efeito, o arqueossítio de Lamelas é formado por um grande afloramento granítico, cuja parte superior, certamente por se apresentar mais aplanada, foi aproveitada como suporte para insculturas rupestres, essencialmente compostas de signos esquemáticos simples e compostos (ou, se preferirmos, ideomorfos), como linhas, reticulados picotados e círculos concêntricos. A par destes elementos, a extremidade nascente apresenta uma fossa ovalada de dimensões consideráveis, ao passo que outros blocos graníticos existentes nas suas imediações revelam fossas de extensões substancialmente menores. Estamos, assim, perante um dos exemplos indiscutíveis do predomínio de um grupo multiforme de motivos predominantemente figurativos, tão específicos deste período, quando se assistiu à suplantação do esquematismo de carácter repetitivo sobre a anterior disposição de cariz essencialmente naturalista, num reflexo indirecto das profundas alterações operadas no seio das comunidades que as pensaram, executaram e vivenciaram, agora de contornos nitidamente mais sedentários.
[AMartins]

Bibliografia

Título

Arte rupestre em Sanjurge, Revista Aquae Flaviae

Local

Chaves

Data

1995

Autor(es)

MARTINS, João Baptista

Título

Notícias arqueológicas do Concelho de Ribeira da Pena, O Arqueólogo Português

Local

Lisboa

Data

1929

Autor(es)

MENEZES, Mário de

Título

O Santuário Rupestre de Lamelas, Ribeira de Pena

Local

Ribeira de Pena

Data

1981

Autor(es)

CARVALHO, Maria José de

Título

300 Sítios arqueológicos visitáveis em Portugal, Al-madan

Local

Almada

Data

2001

Autor(es)

RAPOSO, Jorge