Saltar para o conteúdo principal da página

Capela do Espírito Santo, incluindo todo o seu recheio, e o Cruzeiro que lhe fica fronteiro - detalhe

Designação

Designação

Capela do Espírito Santo, incluindo todo o seu recheio, e o Cruzeiro que lhe fica fronteiro

Outras Designações / Pesquisas

Capela do Espírito Santo (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Capela

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Braga / Guimarães / Sande São Lourenço e Balazar

Endereço / Local

Lugar de Rechã
Guimarães

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 516/71, DG, I Série, n.º 274, de 22-11-1971 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Construída num terreiro onde existe, desde 1628, um cruzeiro, e mais recentemente, um coreto e uma fonte, a capela do Espírito Santo impõe-se na paisagem urbana, através do alpendre que a antecede e do campanário, que ladeia a fachada principal.
À semelhança de outros templos vimaranenses seiscentistas e setecentistas, como as capelas de Nossa Senhora da Conceição ou de Santa Cruz, também a capela do Espírito Santo se caracteriza pela galilé, de planta quadrangular, definida por um muro onde assenta a colunata. No entablamento, sobre a entrada, uma inscrição permite estabelecer o ano da sua edificação - 1727.
A fachada principal, de linhas simples, apresenta pilastras nos cunhais, e portal principal recto, com duas janelas laterais e uma outra sobre a galilé. O alçado termina em empena, com uma cruz ao centro e pináculos laterais, que se repetem nas zonas correspondentes ao início e fim da capela-mor. Assim, estes elementos estabelecem um ritmo de leitura que reflecte os diferentes espaços internos, sendo que a capela-mor se destaca do conjunto por ser mais baixa e de dimensões reduzidas relativamente à nave.
No interior, o retábulo-mor e os nichos que ladeiam o arco triunfal são de talha dourada, tal como o remate do referido arco, e o púlpito que se encontra na nave. O lambril de azulejos, a imitar um padrão setecentista amarelo e azul sobre branco, é de fabrico recente.
Tal como a capela, também o cruzeiro privilegia a depuração decorativa, sendo constituído por fuste circular, com esfera rematada por cruz.
(Rosário Carvalho)

Imagens