Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja Paroquial de São Sebastião (do antigo Convento de São Domingos), incluindo parte do claustro anexo à igreja - detalhe

Designação

Designação

Igreja Paroquial de São Sebastião (do antigo Convento de São Domingos), incluindo parte do claustro anexo à igreja

Outras Designações / Pesquisas

Convento de São Domingos / Igreja Paroquial de São Sebastião(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Setúbal / Setúbal / Setúbal (São Sebastião)

Endereço / Local

Largo de São Domingos
Setúbal

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 2/96, DR, I Série-B, n.º 56, de 6-03-1996 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A primitiva igreja de São Sebastião era uma pequena ermida, edificada cerca de 1490 no local do actual miradouro da cidade de Setúbal, sendo designada sede de freguesia em 1553. Com a extinção das Ordens Religiosas em 1834, a sede de freguesia mudou-se para a igreja do Convento de São Domingos de Setúbal. A ermida medieval, na época já muito danificada devido ao terramoto de 1755, acabaria por ser demolida em meados do século XIX, por ordem da Câmara Municipal.
A actual igreja paroquial de São Sebastião, situado no convento dominicano, foi fundada entre 1564 e 1566, numa obra patrocinada por D. Sebastião. A traça do templo é atribuída a Afonso Álvares, arquitecto régio que executou as igrejas de São Roque, em Lisboa, e do Espírito Santo, em Évora, quer pelas semelhanças estruturais entre os três templos, quer pela contemporaneidade das obras (SILVA, José Custódio Viera da, 1990, p.46).
Embora o terramoto de 1755 tenha danificado bastante a estrutura do templo, a igreja de São Sebastião mantém a estrutura original. Exteriormente, apresenta fachada composta por três corpos de altura igual, separados entre si por pilastras toscanas, e rematados por entablamento. O conjunto é coroado por frontão triangular. As janelas que ornamentam o registo superior, bem como o portal principal, foram transformados após o terramoto.
O interior, de nave única, possui capelas laterais intercomunicantes, e era originalmente coberto por abóbada de berço, destruída com o terramoto e substituída por cobertura de madeira. As duas capelas mais próximas da capela-mor, de cércea mais elevada e mais profundas, constituem um falso transepto.
A capela-mor, ladeada por duas capelas, apresenta sinais de ter sido ampliada, possivelmente no período pós-terramoto, sendo decorada por retábulo de talha policroma pombalina, com pinturas dedicadas a Nossa Senhora do Rosário, que se assemelham muito ao retábulo da Igreja de São Julião de Setúbal, executado no final do século XVIII (Idem, p. 50). Os restantes altares de talha, bem como o frontão do arco triunfal, são também de tipologia pombalina, policromos, executadas na mesma época em que as capelas laterais foram fechadas com altares à face. Exceptua-se a Capela do Santíssimo, que manteve a profundidade original. O espaço interior da igreja é iluminado por várias janelas de sacada, abertas sobre as capelas laterais.
A obra da igreja de São Sebastião de Setúbal destaca-se pela concepção militar da sua estrutura, derivada certamente da formação de Afonso Álvares como engenheiro militar. Embora não seja um templo jesuíta, a sua concepção enquadra-se numa tipologia arquitectónica divulgada pela Companhia de Jesus na segunda metade do século XVI, originando um edifício de grandes proporções, com um espaço interior amplo e iluminado, precedido por uma fachada imponente e austera. Embora tenha sofrido algumas alterações estruturais, a igreja de São Sebastião pode ser definida como "um edifício marcante na evolução da arquitectura portuguesa da segunda metade do século XVI" (Idem, p.50).
Catarina Oliveira

Imagens

Bibliografia

Título

"A arte organística em Portugal (vol. I e II)"

Local

Braga

Data

1990

Autor(es)

VALENÇA, Pe. Manuel

Título

"Setúbal"

Local

Lisboa

Data

1990

Autor(es)

SILVA, José Custódio Vieira da

Título

"A igreja paroquial de São Sebastião - memória descritiva"

Local

Setúbal

Data

-

Autor(es)

PEREIRA, Fernando António Baptista

Título

"Conservação e restauro. Igreja de S. Sebastião de Setúbal, Monumentos, nº 6, Março de 1997"

Local

Lisboa

Data

1997

Autor(es)

FIGUEIRA, Luís Tovar, ALMADA, Carmen