Saltar para o conteúdo principal da página

Portal da Quinta do Crasto, ou Ponte do Manco - detalhe

Designação

Designação

Portal da Quinta do Crasto, ou Ponte do Manco

Outras Designações / Pesquisas

Portal da Casa do Crasto / Quinta do Castro / Portal da Quinta do Castro(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Portal

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Viana do Castelo / Valença / Friestas

Endereço / Local

Quinta do Crasto
-

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 129/77, DR, I Série, n.º 226, de 29-09-1977 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O portal da Quinta do Crasto é o único elemento que resta de uma antiga quinta senhorial, pertença da família Pimenta de Castro.
Trata-se de um exemplar de grande interesse arquitectónico e artístico, tendo sido edificado na segunda metade do século XVIII, mas segundo modelos maneiristas inspirados nos desenhos divulgados pelo tratado de arquitectura de Sebastiano Serlio, muito conhecido no nosso país (AZEVEDO, 1969, p. 132).
No pano de muro, percorrido por cornija e merlões chanfrados, e delimitado por pilastras almofadadas com pináculos a coroá-las, abrem-se duas janelas de lintel curvo, com o mesmo aparelho almofadado. Ao centro, o muro sobe e desenha uma curva, de forma a envolver o portão, em arco de volta perfeita, mas inscrito numa moldura de pilastras e entablamento que respeita o aparelho presente nos restantes elementos já referidos.
Se esta estrutura revela alguma erudição, de inspiração serliana, o mesmo já não se verifica na composição heráldica que se encontra sobre o portal, pois o seu carácter exótico encontra-se bem expresso nas figuras com penas que ladeiam a pedra de armas (AZEVEDO, 1969, p. 132). Este escudo, é enquadrada por volutas e outros enrolamentos vegetalistas, apresentando-se esquartelado, com paquife e coroa.
Muito embora se aponte a segunda metade de Setecentos para a sua edificação (AZEVEDO, 1969, p. 132), a pedra de armas apresenta a legenda "II NETO DOS INNAS A. D. 1752", o que poderá contribuir para fazer recuar a data da sua construção para os meados do século.
(Rosário Carvalho)

Bibliografia

Título

Solares Portugueses

Local

Lisboa

Data

1988

Autor(es)

AZEVEDO, Carlos de