Saltar para o conteúdo principal da página

Pelourinho de Viana do Alentejo - detalhe

Designação

Designação

Pelourinho de Viana do Alentejo

Outras Designações / Pesquisas

Pelourinho de Viana do Alentejo (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Pelourinho

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Évora / Viana do Alentejo / Viana do Alentejo

Endereço / Local

Largo de São Luís
Viana do Alentejo

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 23 122, DG, I Série, n.º 231, de 11-10-1933 (ver Decreto) Ver inventário elaborado pela ANBA

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Viana do Alentejo, também conhecida na Idade Média por Viana do Alvito, terá recebido o seu primeiro foral no século XIII, das mãos de um D. Gil Martins e de sua mulher, D. Maria Anes, primeiros povoadores da localidade. O primeiro foral régio, no entanto, é outorgado por D. Afonso III. Recebeu foral novo de D. Manuel, em 1517, na sequência do qual se terá construído o pelourinho actualmente classsificado, de clara tipologia manuelina.Tudo o que resta deste pelourinho quinhentista, que se pode imaginar de feição semelhante ao seu congénere de Estremoz (nº de inventário 2687), é a base e fuste, de resto muito característico. A base é composta por um cubo com uma singela moldura recta incisa nas faces laterais, e o fuste é constituído por dois troços, o primeiro liso e o segundo helicoidal, de caneluras torcidas, sendo a ligação entre ambos feita através de um anel de torcidos. A ser de facto semelhante ao exemplar (reconstruído) de Estremoz, podemos imaginar que possuiria remate em cone ou pinha, de torcidos, e a habitual esfera armilar sobre o conjunto. Estas peças estiveram, durante vários anos, a servir de pilar de sustentação de um alpendre do Matadouro Municipal. A autarquia local já manifestou a intenção de reconstruir o monumento, erguendo-o possivelmente diante do castelo. Encontra-se ao presente num armazém camarário. SML

Bibliografia

Título

Inventário Artístico de Portugal - vol. IX (Distrito de Évora, Zona Sul, volume I)

Local

Lisboa

Data

1978

Autor(es)

ESPANCA, Túlio

Título

Pelourinhos Portugueses, Tentâmen de Inventário Geral

Local

Lisboa

Data

1997

Autor(es)

MALAFAIA, E. B. de Ataíde