Saltar para o conteúdo principal da página

Capela e Forte de São Vicente - detalhe

Designação

Designação

Capela e Forte de São Vicente

Outras Designações

-

Categoria / Tipologia

Arquitectura Militar / Forte

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Torres Vedras / Santa Maria, São Pedro e Matacães

Endereço / Local

Estrada Torres Vedras-Santa Cruz
Monte de São Vicente

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 47 508, DG, I Série, n.º 20, de 24-01-1967 (ver Decreto)
Despacho de homologação de 27-11-1964 do Subsecretário de Estado da Administração Escolar
Parecer de 13-11-1964 da 1.ª Sub-Secção da 6.ª Secção da JNE favorável à classificação como IIP, mas incluindo igualmente o Forte de São Vicente das famosas Linhas de Torres
Proposta dde 16-09-1964 da DGEMN para a classificação como IIP da Capela de São Vicente

ZEP

Portaria n.º 715/77, DR, I Série, n.º 268, de 19-11-1977 (sem restrições) (ZEP conjunta da Capela e Forte de São Vicente e da Ermida de Nossa Senhora do Ameal) (ver Portaria)
Edital de 7-11-1975 da CM de Torres Vedras
Despacho de homologação de 18-04-1975Parecer favorável de 4-05-1975 da 4.ª Sub-Secção da 2.ª Secção da JNE
Em 21-01-1975 a DGEMN enviou a proposta de traçado da ZEP aprovada (Capela e Forte de São Vicente e Ermida de Nossa Senhora do Ameal)
Despacho de homologação de 18-09-1972
Parecer favorável de 8-09-1972 da 4.ª Sub-Secção da 2.ª Secção da JNE
Proposta de 1-09-1972 da DSFOM do Ministério do Exército para uma ZEP de 100 m de raio

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O Forte de São Vicente de Torres Vedras formava parte das célebres Linhas de Torres, que compunham o anel defensivo da capital durante as invasões napoleónicas, sendo considerado o mais importante forte das Linhas, defendendo a ligação entre Lisboa e Coimbra. Foi começado a construir em 1809, no cimo de um dos mais altos montes que se erguem em torno da cidade, o Monte de São Vicente. Tem planta em Y, e era composto por um conjunto de trincheiras, fossos, traveses, paióis, e 39 bocas de fogo originais. Encontra-se actualmente em ruínas.
No local onde se implanta existia já uma pequena capela, dedicada ao santo mártir, e cuja construção dataria do século XII (VIEIRA, Júlio, 1926), sendo referida pela primeira vez em 1267. Este templo, entretanto muito alterado, foi integrado na fortaleza. Trata-se de um pequeno edifício de planta rectangular, com capela-mor circular coberta por cúpula. Foi reconstruída, e sofreu obras importantes em finais da década de oitenta e início da década de noventa do século XX, a cargo da Câmara Municipal de Torres Vedras. SML

Imagens

Bibliografia

Título

"Monumentos e Edifícios Notáveis do Distrito de Lisboa"

Local

Lisboa

Data

1988

Autor(es)

ATAÍDE, M. Maia

Título

"Torres Vedras antiga e moderna"

Local

Torres Vedras

Data

1926

Autor(es)

VIEIRA, Júlio

Título

"Torres Vedras : passado e presente"

Local

Torres Vedras

Data

1996

Autor(es)

RODRIGUES, Cecília Travanca

Título

"As Linhas de Torres Vedras - as três primeiras linhas e fortificações ao sul do Tejo, Cadernos do Museu, nº 2"

Local

Torres Vedras

Data

2001

Autor(es)

NORRIS, A. H., BREMNER, R. W.