Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja e Convento da Graça - detalhe

Designação

Designação

Igreja e Convento da Graça

Outras Designações

-

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Torres Vedras / Santa Maria, São Pedro e Matacães

Endereço / Local

Praça 25 de Abril (Largo da Graça)
Torres Vedras

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 42 007, DG, I Série, n.º 265, de 6-12-1958 (ver Decreto)

ZEP

Em 15-03-2010 foi dado conhecimento do despacho aos requerentes
Despacho de arquivamento de 8-03-2010 do director do IGESPAR, I.P., por o jardim já dispor de protecção patrimonial através da servidão administrativa da Igreja adjacente (Igreja e Convento da Graça)
Proposta de arquivamento de 3-03-2010 da DRC de Lisboa e Vale do Tejo face a não ser prioritário
Proposta de 24-08-2005 de um grupo de cidadãos, sendo 1.º subscritor Armando Pedro Lopes

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O Convento dos Agostinhos de Torres Vedras, dedicado a Nossa Senhora da Graça, foi fundado na primeira metade do século XVI, no local onde anteriormente estava implantada a ermida da gafaria da cidade.
O espaço conventual foi edificado ao longo da centúria de Quinhentos, e o programa decorativo do interior do templo, nomeadamente as obras de talha, foi realizado já no século XVII. O edifício desenvolveu-se em volta do claustro, dispondo-se como um quadrado. A igreja, de planta rectangular, foi disposta longitudinalmente do lado esquerdo do claustro, e do lado oposto foram construídas as dependências conventuais. No entanto, a fachada do templo foi alterada no século XVIII.
O espaço interior, de nave única, é coberto por abóbada de berço, sendo as paredes decoradas com azulejos de tapete do século XVII. No corpo da igreja foram abertas oito capelas laterais, decoradas com retábulos de talha barrocos, que serviram de capelas tumulares. De entre estas, destaca-se uma capela, do lado da Epístola, com seis tábuas quinhentistas, representando a Apresentação da Virgem , a Anunciação , a Visitação , a Adoração dos Magos , a Adoração dos Pastores e o Trânsito da Virgem . Sobre as aberturas das capelas foram rasgadas as janelas que iluminam a nave.
O espaço da capela-mor, coberto por abóbada, alberga um retábulo maneirista de talha dourada que integra as imagens de Santa Gertrudes Magna e Santa Francisca Romana. À direita do altar foi aberto um nicho que alberga o túmulo de São Gonçalo de Lagos, cuja vida é retratada nos painéis de azulejo que decoram a sala da portaria, da autoria do mestre P. M. P..
O espaço do claustro, de planta quadrada, possui no piso térreo uma arcada. As paredes deste piso são decoradas com painéis de azulejo executados em 1725, que ilustram a vida de D. Frei Aleixo de Meneses, prior do convento na última década do século XVI.
Depois da extinção das Ordens Religiosas, a zona das dependências conventuais do Convento da Graça foi vendida a particulares. Em 1887 a Câmara Municipal de Torres Vedras acabaria por adquirir parte do imóvel, instalando aí várias repartições camarárias. Actualmente funciona neste espaço o Museu Municipal e o Gabinete de Apoio Técnico do município.
Catarina Oliveira
GIF/IPPAR/2005

Imagens

Bibliografia

Título

"Azulejaria Portuguesa"

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

MECO, José

Título

"Monumentos e Edifícios Notáveis do Distrito de Lisboa"

Local

Lisboa

Data

1963

Autor(es)

AZEVEDO, Carlos de, FERRÃO, Julieta, GUSMÃO, Adriano de

Título

"Azulejaria em Portugal no século XVIII"

Local

Lisboa

Data

1979

Autor(es)

SIMÕES, J. M. dos Santos

Título

"Torres Vedras : passado e presente"

Local

Torres Vedras

Data

1996

Autor(es)

RODRIGUES, Cecília Travanca