Saltar para o conteúdo principal da página

Castelo do Mau Vizinho ou dos Mouros - detalhe

Designação

Designação

Castelo do Mau Vizinho ou dos Mouros

Outras Designações / Pesquisas

Castelo dos Mouros / Castelo do Mau Vizinho / Castelo dos Mouros(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Povoado Fortificado

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Vila Real / Chaves / Cimo de Vila da Castanheira

Endereço / Local

-- -
-

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 1/86, DR, I Série, n.º 2, de 3-01-1986 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Foi numa plataforma superior de um picôto elevado, isolado e coberto de carvalhos sobranceiro ao vale do rio Mousse, situado a cerca de 35 km da cidade de Chaves, que se ergueu o "Castelo do Mau Vizinho", ou o "Castelo dos Mouros", como é geralmente conhecido.
Embora tenha sido descoberto por António da Eira e Costa entre os finais da década de sessenta e os inícios dos anos setenta do século XX, foi apenas em 1981 que arrancou a primeira campanha arqueológica neste local, seguida de uma outra realizada passados somente sete anos.
O sistema defensivo deste "castelo" era originalmente composto de uma linha de muralha erguida com blocos de xisto, e que terá sido completado pela própria natureza defensável do sítio, cujos afloramentos possibilitaram a construção de um torreão central, bem como de outras estruturas de carácter perecível, eventualmente relacionadas com a existência de uma segunda linha de defesa.
Durante algum tempo, interpretou-se este sítio arqueológico como um santuário pré-romano, contrariando, desse modo, a inferência que se poderia retirar da própria designação do monumento, ou seja, enquanto Castro. Dentro deste contexto, alguns investigadores, como J. R. dos Santos Júnior, tentaram interpretar os vestígios estruturais aí registados como fazendo parte integrante desta hipotética realidade antiga, que algumas lendas locais pareciam confirmar. Contudo, as disposições artificiais assinaladas no local não parecem assemelhar-se às identificadas noutros sítios cultuais existentes na zona, como no caso particular de Panóias. E mesmo que algum do espólio recolhido pareça apontar para uma utilização deste espaço durante a Idade do Ferro, a parte mais significativa dos materiais cerâmicos encontrados indiciará a fruição deste lugar em plena Idade Média.
[AMartins]

Bibliografia

Título

A Cultura Castreja no Noroeste de Portugal

Local

Paços de Ferreira

Data

1986

Autor(es)

SILVA, Armando Coelho Ferreira da

Título

Extractos archeológicos das Memórias Parochiaes de 1758, O Arqueólogo Português

Local

Lisboa

Data

1898

Autor(es)

AZEVEDO, Pedro A. de

Título

O santuário do Castelo do Mau Vizinho, Revista de Guimarães

Local

Guimarães

Data

1989

Autor(es)

FREITAS, Adérito Medeiros, SANTOS JÚNIOR, Joaquim Rodrigues dos, COSTA, António da Eira e, SANTOS, Joaquim Norberto dos

Título

Campanha de trabalhos.Castelo do Mau Vizinho.Cimo de Vila da Castanheira - Chaves, Trabalhos de Antropologia e Etnologia

Local

Porto

Data

1982

Autor(es)

FREITAS, Adérito Medeiros, SANTOS JÚNIOR, Joaquim Rodrigues dos, COSTA, António da Eira e

Título

O Castelo do Mau Vizinho, Trabalhos de Antropologia e Etnologia

Local

Porto

Data

1973

Autor(es)

COSTA, António da Eira e

Título

Levantamento Arqueológico do Concelho de Chaves, relatórios anuais de actividades

Local

Chaves

Data

1992

Autor(es)

TEIXEIRA, Ricardo Jorge Coelho Marques Abrantes, AMARAL, Paulo