Saltar para o conteúdo principal da página

Castro de Fiães - detalhe

Designação

Designação

Castro de Fiães

Outras Designações / Pesquisas

Castro de Fiães / Povoado fortificado de Fiães (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Castro

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Aveiro / Santa Maria da Feira / Fiães

Endereço / Local

- Monte de Santa Maria de Fiães ou Monte Redondo
Fiães

Proteção

Situação Actual

Em Vias de Classificação

Categoria de Protecção

Em Vias de Classificação (Homologado como IIP -...

Cronologia

Despacho de homologação de 19-11-1975

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Escavado no início dos anos setenta, o "Castro de Fiães" ergue-se no topo do Monte de Santa Maria de Fiães, nas proximidades da localidade do mesmo nome.
As escavações conduzidas no local, em 1971, incidiram essencialmente na área situada a nascente da capela de Nossa Senhora da Conceição, aí erguida posteriormente, num reflexo de práticas seculares de reutilização simbólica dos mesmos espaços e/ou suas imediações por diferentes comunidades ao longo dos tempos, numa espécie de assimilação e/ou (sobre)posição sucessiva de valores materiais e espirituais. Os trabalhos então desenvolvidos permitiram colocar a descoberto uma zona bastante revolvida, assim como exumar espólio cronologicamente balizado entre os séculos IV e V d. C., correspondendo, por conseguinte, a uma das fases de maior actividade registadas até ao momento no sítio, ainda que parte significativa da área de ocupação primitiva continue ocultada pelo adro da referida capela (vide supra).
Com efeito, e apesar de alguns indícios (como fragmentos de cerâmica cinzenta com decoração brunida) apontarem para a construção inicial desta estação arqueológica em plena Idade do Ferro desta região do actual território português, a maioria dos artefactos encontrados confirmará a prevalência do período correlativo à ocupação romana, numa confirmação, no fundo, da sua relevância em termos estratégicos. É disso exemplo, para além dos vestígios de algumas estruturas, de aspecto tardio, a existência de fragmentos de cerâmica romana, nomeadamente de luxo, como a terra sigillata, de um dolium (recipiente cerâmico de grandes dimensões destinado a conservar e transportar alimentos) e de vestígios de materiais de construção, como no caso das tegulae, ou seja, de fragmentos de telha rectangular.
Não obstante, as sondagens realizadas já em 1980 permitiram localizar um troço da muralha erguida na primeira fase de ocupação do sítio, correspondente, precisamente, à Idade do Ferro (vide supra). Infelizmente, o castro apresenta-se actualmente destruído na sua quase totalidade em consequência da actividade exercida numa pedreira situar nas imediações, bem como pela edificação de uma moradia justamente no centro do monte em que se ergue o povoado.
[AMartins]

Bibliografia

Título

Jornal de Vila da Feira de 04.01.83 e Jornal Tradiçao

Local

-

Data

-

Autor(es)

-