Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja da Misericórdia de Braga - detalhe

Designação

Designação

Igreja da Misericórdia de Braga

Outras Designações

-

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Braga / Braga / Braga (Maximinos, Sé e Cividade)

Endereço / Local

Rua D. Diogo de Sousa
Braga

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 129/77, DR, I Série, n.º 226, de 29-09-1977 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Fundada em 1513, a irmandade da Misericórdia de Braga teve permissão de D. Diogo de Sousa, arcebispo da cidade, para se instalar numa das capelas do claustro da Sé, designada então como Capela de Jesus da Misericórdia. No entanto, em meados da centúria o espaço de que a confraria dispunha tornou-se exíguo, pelo que em 1558 os irmãos decidiram edificar um templo de raiz, situado junto à Sé. A traça deste templo é atribuída ao arquitecto Manuel Luís, mestre do Porto autor da capela-mor da Misericórdia do Porto (RUÃO, Carlos, 1996, pp. 202-205). A edificação do templo terá sido iniciada cerca de 1560, tendo sido gravada a data "1562" no portal principal, indicando provavelmente a data em que se terminou a fachada.
Nos anos seguintes fizeram-se as primeiras obras de decoração do espaço interior, com a edificação de diversos retábulos patrocinados pelos irmãos que queriam fazer-se sepultar no interior do templo (CASTRO, Maria de Fátima, 2001, pp. 15-16). Os registos da Misericórdia de Braga indicam que em 1577 a irmandade contratou o pintor António Juzarte para fazer as pinturas integradas num retábulo lateral, situado no lado da Epístola, cuja talha foi elaborada pelos mestres Lucas Fernandes e Jácome Pires. Em 1590 o pintor bracarense Francisco Soares foi contratado para decorar a fresco o tecto do coro baixo, que devia ser pintado com "motivos de romano à maneira de brutesco" (SERRÃO, Vítor, 1999, p. 287).
Ao longo de todo o século XVII a irmandade custeou obras de decoração, remodelação, restauro e ampliação dos seus espaços. Em 1603 os pilares e retábulos da igreja eram consertados e dourados novamente, num trabalho feito por Paulo Soares, e no ano de 1624 Francisco Vaz, mestre pedreiro, e Francisco João, carpinteiro, eram contratados para edificarem a Casa do Despacho, segundo planta elaborada pelo padre Geraldo Álvares (CASTRO, Maria de Fátima, 2001). Alguns anos depois, em 1656, Gonçalo Pacheco e João de Oliveira executaram o tecto de caixotões que cobre a nave, e entre 1662 e 1664 eram colocados os painéis de azulejo no interior do templo.
No último quartel de Seiscentos foram executadas obras de maior envergadura no programa decorativo do templo. Em 1679 a Misericórdia contratou o escultor Belchior Fernandes para refazer os retábulos central, situado no altar de Nossa Senhora, e os colaterais, na mesma época em que o mestre de pedraria Manuel Carvalho terminava um retábulo de pedra, cujo risco havia sido feito anos antes por Frei José de Braga (Idem, ibidem, pp. 20-23). Ao longo do século XVIII foram feitas mais obras de melhoramento, como a execução de novos retábulos de talha, que substituíram os de Belchior Fernandes.
A igreja da Misericórdia de Braga é um templo longitudinal, de nave única formando com a Casa do Despacho um conjunto em L. No seu conjunto, apresenta duas linguagens muito distintes, a estrutura maneirista de gosto flamengo, e o programa decorativo barroco, quefoi sendo ao longo dos século XVII e XVIII.
O projecto do templo traçado por Manuel Luís demonstra um conhecimento dos modelos maneiristas mais eruditos, destacando-se a fachada principal de linguagem flamenguista, muito semelhante à do templo de São Domingos de Viana do Castelo, traçado por João Lopes o Moço na mesma época, e que serviriam de inspiração a posteriores obras edificadas no noroeste português, como o templo de São Gonçalo de Amarante, ou a Misericórdia de Guimarães.
Catarina Oliveira
IPPAR/2005

Imagens

Bibliografia

Título

"Arquitectura: renascimento e classicismo, História da Arte Portuguesa, vol. II, 1995, pp. 303-375"

Local

Lisboa

Data

1995

Autor(es)

MOREIRA, Rafael

Título

"Arquitectura maneirista no Noroeste de Portugal"

Local

Coimbra

Data

1996

Autor(es)

RUÃO, Carlos

Título

"Da Casa Grande da Rua dos Pelames à Casa Nova da Rua de Dom Gualdim"

Local

Braga

Data

2000

Autor(es)

PEREIRA, Ana Maria de Sousa

Título

"Manuel Luis - um contributo para o estudo de um mestre pedreiro quinhentista, in Museu, nº 6"

Local

Porto

Data

1997

Autor(es)

AFONSO, José Ferrão

Título

"A Irmandade e Santa Casa da Misericórdia de Braga"

Local

Braga

Data

2001

Autor(es)

CASTRO, Maria de Fátima

Título

"O desvario do ornamento de Brutesco na pintura de tectos do mundo português, 1580-1720, in Struggle for Synthesis, vol. I"

Local

Lisboa

Data

1999

Autor(es)

SERRÃO, Vítor

Título

"Retábulos das Misericórdias Portuguesas"

Local

Faro

Data

2009

Autor(es)

LAMEIRA, Francisco