Saltar para o conteúdo principal da página

Pelourinho de Santa Marinha - detalhe

Designação

Designação

Pelourinho de Santa Marinha

Outras Designações / Pesquisas

Pelourinho de Santa Marinha(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Pelourinho

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Guarda / Seia / Santa Marinha e São Martinho

Endereço / Local

Largo da Praça (diante da antiga Casa da Câmara)
Santa Marinha

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 23 122, DG, I Série, n.º 231, de 11-10-1933 (ver Decreto) Ver inventário elaborado pela ANBA

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Santa Marinha teve primeiro foral, datado de 1150, e outorgado por D. Afonso Henriques, ao qual se seguiu uma carta semelhante, emitida no reinado de . Sancho I, em 1190, por D. Soeiro Gomes e sua mulher. A localidade pertenceu ao Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra, constituindo importante herdade do cenóbio. Ter-se-á desenvolvido consideravelmente, ao ponto de ser já referida como concelho no documento do foral novo que recebeu de D. Manuel, em 1514. A circunscrição foi extinta em 1834, e integrada na comarca de Seia. O seu pelourinho levanta-se ainda no centro da povoação, em frente ao edifício da antiga Casa da Câmara e cadeia.
O pelourinho assenta em soco de três degraus quadrangulares, de aresta, sendo o térreo muito elevado, formando plataforma. A coluna é constituída por singelo fuste oitavado, de faces lisas, onde ainda se podem ver dois orifícios e uma argola de ferro. Não possui capitel, visto que este é substituído pela peça inferior do remate, em gaiola. O remate é composto por dois troncos piramidais truncados, de secção quadrada e perfil ligeiramente côncavo, o inferior invertido e moldurado, e o superior tendo arestas decoradas com ressaltos, e duas faces ostentando rosetas. Esta peça superior, ou chapéu, assenta sobre quatro pequenos blocos quadrangulares, dispostos em cruz nos ângulos da gaiola, e decorados nas faces exteriores com quatro cabeças de animais, salientes. A peça da base é decorada com uma estrela.
De referir ainda que em Santa Marinha existe outro monumento, com a actual feição de cruzeiro, em parte resultante de um restauro de finais do século XX, e que alguns autores referem como tendo sido um segundo pelourinho. Tal não parece provável, uma vez que só se justificaria a construção de outro pelourinho se tivessem existido duas sedes de concelho distintas onde hoje há apenas uma freguesia, o que não aconteceu. Para além disso, o cruzeiro levanta-se diante da Capela de São João Baptista, sendo de presumir que se tratasse, desde sempre, de um simples cruzeiro de adro.
Sílvia Leite

Imagens

Bibliografia

Título

Pelourinhos Portugueses, Tentâmen de Inventário Geral

Local

Lisboa

Data

1997

Autor(es)

MALAFAIA, E. B. de Ataíde