Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja de Nossa Senhora do Carmo, incluindo o claustro e a capela nele existente com o recheio da talha e imaginária da mesma capela - detalhe

Designação

Designação

Igreja de Nossa Senhora do Carmo, incluindo o claustro e a capela nele existente com o recheio da talha e imaginária da mesma capela

Outras Designações / Pesquisas

Igreja e Convento de Nossa Senhora do Carmo (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Viana do Castelo / Viana do Castelo / Viana do Castelo (Santa Maria Maior e Monserrate) e Meadela

Endereço / Local

Rua do Carmo
Santa Maria Maior

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 129/77, DR, I Série, n.º 226, de 29-09-1977 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Após a realização do Concílio de Trento a Igreja Católica utilizou a arte para propagar a doutrina católica reformada, definindo regras de produção artística. As ordens religiosas procuraram ser o veículo de propagação dos ensinamentos da Igreja, utilizando as suas comunidades locais e a arquitectura edificada na época para esse fim.
Em 1616, numa época em que a Europa cristã defendia em pleno os valores da Contra-Reforma, o Capítulo Provincial Carmelita, reunido em Lisboa, decidiu fundar um convento da ordem em Viana da Foz do Lima, uma terra na época enriquecida pelo dinheiro do comércio ultramarino, que preocupava os homens da Igreja pelo seu contacto estreito com as comunidades protestantes do Norte da Europa. Algum tempo depois um grupo de frades carmelitas instalou-se em Viana, sendo nomeado responsável pela edificação do novo convento Frei António do Santíssimo Sacramento. O local escolhido ficava situado algumas ruas acima do rio, para a zona a este da igreja matriz da vila, designado por sítio dos Mendonças, onde a comunidade comprou alguns terrenos. No ano de 1621 iniciavam-se as obras de construção, e alguns anos depois, em 1625 os religiosos mudavam-se para o convento. As obras iriam arrastar-se pelos anos seguintes; a área de dormitórios era terminada em 1628, enquanto a igreja foi construída entre 1634 e 1647, ano em que foi aberta ao culto.
Baseada na linguagem do maneirismo reformado, a estrutura do convento de Nossa Senhora do Carmo obedece ao protótipo das igrejas conventuais carmelitas, com planta em cruz latina, de transepto reduzido, nave com capelas comunicantes, coberta por abóbada de berço, e cruzeiro com cúpula.
A fachada foi desenhada também segundo as soluções anticlássicas, desenvolvendo-se num modelo austero de grande sobriedade e verticalidade, em que os diferentes corpos da fachada são separados por pilastras toscanas e os poucos elementos decorativos inspiram-se na tratadística flamenga, como as aletas laterais do frontão ou os pináculos de remate da torre sineira e das pilastras. O corpo central da fachada é marcado pela arcada no primeiro registo e pela janela rasgada no terceiro registo, que ilumina o interior do templo, ligados no registo intermédio por um nicho, e terminado em empena. Adossadas à fachada lateral direita estão as antigas dependências conventuais.
O interior do templo é decorado por painéis de azulejo de padrão e talha dourada. O espaço da capela-mor, cujo projecto decorativo foi executado entre 1688 e 1694, ano em que o convento pagou o douramento das talhas, é decorado com retábulo e sanefas de estilo nacional da fase inicial. Os altares laterais foram executados mais tarde em talha rococó. O espaço da sacristia é também decorado com talha seiscentista.
O espólio documental da comunidade de Nossa Senhora do Carmo refere alguns elementos que mostram a intenção de serem executadas obras no espaço do convento nos últimos anos do século XVII, que envolviam a construção de um edifício anexo ao convento e de instalações à volta de um claustro interior. Cerca de 1725 haveria a necessidade de ampliação de alguns espaços anexos ao templo, nomeadamente o refeitório, lavandaria, dispensa e enfermaria. No entanto esta obras não teriam sido executadas, embora restem os projectos arquitectónicos das mesmas, e no espaço exterior ao convento, a comunidade carmelita apenas patrocinou a edificação de um fontanário público.
Em 1834, após a extinção das ordens religiosas, o convento foi confiscado e a comunidade dispersa, e dois anos depois a igreja foi cedida à Confraria de Nossa Senhora do Carmo, enquanto as dependências conventuais foram adquiridas pelo Visconde de Porto Covo. Em 1857 a igreja passava para a tutela da Ordem Terceira do Carmo. Desde 1953 o espaço anexo ao templo funciona como seminário.
Catarina Oliveira
IPPAR/2004

Imagens

Bibliografia

Título

Viana do Castelo

Local

Lisboa

Data

1990

Autor(es)

CALDAS, João Vieira, GOMES, Paulo Varela

Título

Fundação do Convento do Carmo e construção da igreja, in Cadernos Vianenses, vol. 1

Local

Viana do Castelo

Data

1985

Autor(es)

FERNANDES, Filipe

Título

Caminhos da História da Arte no Noroeste de Portugal no primeiro quartel do século XVIII, in Cadernos Vianenses, tomo 19

Local

Viana do Castelo

Data

1995

Autor(es)

REIS, António Matos

Título

Esboço histórico. Viana do Castelo

Local

Coimbra

Data

1878

Autor(es)

GUERRA, Luís Figueiredo da

Título

Viana Monumental e Artística: espaço urbano e património de Viana do Castelo

Local

Viana do Castelo

Data

1990

Autor(es)

FERNANDES, Francisco José Carneiro