Saltar para o conteúdo principal da página

Convento de Paderne - detalhe

Designação

Designação

Convento de Paderne

Outras Designações / Pesquisas

Mosteiro de Paderne / Igreja e Convento de Paderne / Igreja Paroquial de Paderne / Igreja do Divino Salvador(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Convento

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Viana do Castelo / Melgaço / Paderne

Endereço / Local

- -
Paderne

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 129/77, DR, I Série, n.º 226, de 29-09-1977 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A uma primitiva e enigmática ocupação monacal, possivelmente de conteúdo exclusivamente feminino, seguiu-se, a partir de 1225, a de regrantes de Santo Agostinho, ordem responsável pela edificação da igreja românica, concluída por D. João Pires quarenta anos depois.
A história medieval desta instituição é muito mal conhecida, limitando-se os documentos até agora identificados a mencionar algumas trocas de propriedades com o vizinho mosteiro de Fiães. A partir do século XV, possivelmente por se encontrar em acentuada decadência fundiária, o conjunto passou a ser gerido por comendatários, nomeados directamente pelo Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra. No reinado de D. Sebastião, foi unido ao cenóbio conimbricense, deixando de ter gestão autónoma e, posteriormente, a parte conventual foi vendida aos senhores do couto de Caldas de Badim (ALVES, 1982: 125), consumando-se, assim, a separação entre mosteiro e igreja, que ainda hoje existe.
A parte conventual encontra-se muito arruinada, restando pouco mais que as três faces do antigo claustro, construído de forma oblíqua em relação à igreja. Esta comunicava com um dos topos da quadra, através de dois acessos distintos: a sacristia e a capela lateral direita, aberta para o corpo do templo. Em alçado, o claustro possui dois pisos, o primeiro aberto por arcos de volta perfeita, assentes em colunas, e o segundo avançado, compondo-se por três janelas quadrangulares em relação simétrica entre si.
O principal núcleo construído desenvolvia-se para Ocidente do claustro, numa ala rectangular e outras dependências igualmente de secção regular em alinhamento com a quadra. Do lado Sul da igreja ainda é possível ter uma noção do antigo impacto da parte conventual, com os seus dois altos andares rasgados por janelas quadrangulares, estilisticamente dialongantes e confrontantes com a obra românica da igreja.
Paulo Fernandes | DIDA | IGESPAR, I. P.
27.08.2007

Imagens

Bibliografia

Título

A escultura românica das igrejas da margem esquerda do Rio Minho, 2 vols.

Local

Porto

Data

1987

Autor(es)

ROSAS, Lúcia Maria Cardoso

Título

Os azulejos do Mosteiro de Paderne, um revestimento integrado num monumento românico, Monumentos

Local

Lisboa

Data

-

Autor(es)

PINTO. Luís de Magalhães Fernandes

Título

Afonso Henriques e a fronteira noroeste: contornos de uma estratégia (1996), A construção medieval do território, pp.75-86

Local

Lisboa

Data

2001

Autor(es)

ANDRADE, Amélia Aguiar