Saltar para o conteúdo principal da página

Ermida de São Miguel - detalhe

Designação

Designação

Ermida de São Miguel

Outras Designações / Pesquisas

Ermida de São Miguel do Castelo / Ermida de São Miguel / Ermida de São Miguel do Castelo(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Ermida

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Évora / Évora / Évora (São Mamede, Sé, São Pedro e Santo Antão)

Endereço / Local

Pátio de São Miguel
Évora

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 29 604, DG, Série I, n.º 112, de 16-05-1939 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

Abrangido por conjunto inscrito na Lista do Património Mundial da UNESCO, que, ao abrigo do n.º 7 do art.º 15.º da Lei n.º 107/2001, de 8 de Setembro, se encontra classificado como MN

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A ermida de São Miguel do Castelo, edificada pelos cavaleiros da Ordem Militar de S. Bento de Calatrava, deverá ter sido dos primeiros edifícios religiosos a ser consagrado em Évora. Situada muito próxima da alcáçova mourisca, a fundação desta ermida é tradicionalmente atribuída a Gonçalo Viegas, que foi primeiro Mestre da Ordem de Cavalaria de Évora.
Foram várias as campanhas de obras decorridas nesta ermida: a campanha inicial no final do século XIII; a construção da ábside no fim do século XV e início do XVI; a reedificação do presbitério, aproximadamente em 1500; a reedificação do século XVII, que corresponde ao edifício actual; e ainda pontuais intervenções no decorrer do século XX (ESPANCA, Túlio, 1966).
Naturalmente, as múltiplas intervenções não permitem hoje o reconhecimento de um estilo arquitectónico único, mas sim uma multiplicidade de elementos característicos de diferentes épocas, nomeadamente do período manuelino e maneirista.
O alçado principal, com portal de verga recta, é rematado por frontão triangular. A planta longitudinal, articula a nave única com a capela-mor mais estreita e baixa. A nave é coberta por abóbada de berço, enquanto que a capela-mor apresenta uma abóbada manuelina, em ogivas nervuradas com bocetes. No alçado lateral rasga-se uma porta de acesso à igreja, numa solução pouco comum na arquitectura religiosa da região (ESPANCA, Túlio, 1966). SML

Imagens

Bibliografia

Título

Évora

Local

Lisboa

Data

1993

Autor(es)

ESPANCA, Túlio

Título

Inventário Artístico de Portugal, vol. VII (Concelho de Évora - volume I)

Local

Lisboa

Data

1966

Autor(es)

ESPANCA, Túlio