Saltar para o conteúdo principal da página

Pelourinho de Beringel - detalhe

Designação

Designação

Pelourinho de Beringel

Outras Designações / Pesquisas

Pelourinho de Beringel (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Pelourinho

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Beja / Beja / Beringel

Endereço / Local

-- Museu Regional de Beja (fragmentos)
-

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 23 122, DG, I Série, n.º 231, de 11-10-1933 (ver Decreto) Ver inventário elaborado pela ANBA

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

As origens da localidade de Beringel remontam ao século XIII, mais propriamente ao reinado de D. Afonso III e ao ano de 1255, altura em que o monarca doou parte do vasto território em redor de Beja aos monges de Alcobaça, para que o povoassem e organizassem. Ao que tudo indica, esta iniciativa não teve o sucesso esperado e no reinado de D. Afonso V, em 1477, encontrando-se a povoação muito arruinada, foi doada ao chanceler-mor do reino, D. Rui de Sousa.
Foi a partir desta data que a vila de Beringel conheceu o seu período de maior apogeu, especialmente com D. Pedro de Sousa, filho de D. Rui de Sousa. Entre as várias obras então efectuadas destaca-se a remodelação integral da Igreja Matriz, que seguiu um modelo estético e artístico perfeitamente actual para o Alentejo tardo-gótico.
O pelourinho quinhentista foi construído na sequência do foral de D. Manuel, passado a Beringel em 23 de Novembro de 1519. Infelizmente, dele não restam hoje mais que vestígios dispersos, sem coerência estilística comprovada.
Desmontado nos inícios do século XX, encontra-se na actualidade reduzido a fragmentos. Parte do remate da estrutura foi recolhido em 1940 por Marcos Adriano da Silva Bentes e deu entrada no Museu Regional de Beja por intermédio de Abel Viana. Outros fragmentos em mármore estavam, em 1993, na posse de um agricultor local, João de Mira Galvão (ESPANCA, 1993).
PAF

Imagens

Bibliografia

Título

Inventário Artístico de Portugal - Distrito de Beja, Vol. XII

Local

Lisboa

Data

1992

Autor(es)

ESPANCA, Túlio

Título

Pelourinhos Portugueses, Tentâmen de Inventário Geral

Local

Lisboa

Data

1997

Autor(es)

MALAFAIA, E. B. de Ataíde