Saltar para o conteúdo principal da página

Troço de via romana no lugar de Ereira - detalhe

Designação

Designação

Troço de via romana no lugar de Ereira

Outras Designações / Pesquisas

Troço de Via Romana no Lugar de Ereira (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Via

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Aveiro / Sever do Vouga / Talhadas

Endereço / Local

Lugar da Ereira
Talhadas

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 29/90, DR, I Série, n.º 163, de 17-07-1990 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Tal como sucedia nos demais territórios dominados pelo Império romano, a rede viária formada durante a Antiguidade ao longo das actuais fronteiras físicas portuguesas integrava todo um sistema de (a)firmação política (ao mesmo tempo que económica) traçado pelo novo poder, fundindo-se com a própria estratégia de ordenamento territorial. Fazia, assim, parte da implementação de uma política administrativa assente em duas traves mestras cruciais para a sua cimentação: por um lado, na definição de unidades político-administrativas e, por outro, no traçado de vias que assegurasse a ligação contínua entre os principais centros populacionais, ao mesmo tempo que a sua renovação, face às exigências assomadas com o desenrolar dos acontecimentos registados em Roma.
O primeiro destes dois vectores fundamentou-se na definição territorial de civitates, as costumadas unidades político-administrativas romanas, e que, em termos de extensão, se aproximariam aos actuais distritos (e não tanto aos concelhos), com a respectiva cidade capital, à qual se subordinavam outras unidades urbanas, assim como a correspondente população rural.
Uma estrutura desta envergadura impunha a concepção de um sistema viário bem arquitectado, por ser indispensável circulação de bens e pessoas, nomeadamente das entidades às quais era cometida a manutenção da ordem nos territórios conquistados. E, "Ainda que certas vias tenham seguido anteriores caminhos pré-romanos, mesmo que muitas delas não tenham sido pavimentadas e que as pontes construídas sobre os rios tenham sido, por vezes, de madeira ou de barcas, o investimento feito na instalação da rede viária deve ter sido considerável." (Id., 1990, p. 373).
O "Troço de Via romana no lugar de Ereira" foi construído com pedras de dimensões assinaláveis dispostas em cunha, por forma a evitar o seu desmoronamento, para além de terem sido de igual modo escavadas no próprio afloramento rochoso, aproveitando pontualmente a morfologia do terreno. O troço inseria-se na via que estabelecia, durante a Antiguidade, e na zona de Cabeço do Vouga, a ligação entre Viseu e a estrada que unia Olisipo (Lisboa) a Bracara Augusta (Braga), um dos eixos fundamentais da administração romana do actual solo português.
[AMartins]

Bibliografia

Título

O Reordenamento Territorial, Nova História de Portugal: Portugal das origens à romanização

Local

Lisboa

Data

1990

Autor(es)

ALARCÃO, Jorge Manuel N. L.

Título

O Domínio Romano, Nova História de Portugal

Local

-

Data

1990

Autor(es)

-

Título

O Domínio Romano em Portugal

Local

-

Data

1988

Autor(es)

ALARCÃO, Jorge Manuel N. L.

Título

300 Sítios arqueológicos visitáveis em Portugal, Al-madan

Local

Almada

Data

2001

Autor(es)

RAPOSO, Jorge

Título

Carta Arqueológica do Concelho de Sever do Vouga

Local

Sever do Vouga

Data

1988

Autor(es)

BETTENCOURT, Ana Maria dos Santos