Saltar para o conteúdo principal da página

Ermida de Santa Luzia - detalhe

Designação

Designação

Ermida de Santa Luzia

Outras Designações / Pesquisas

Ermida de Santa Luzia (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Ermida

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Beja / Serpa / Pias

Endereço / Local

-- a cerca de 2 km de Pias, na estrada para Moura
-

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 45 327, DG, I Série, n.º 251, de 25-10-1963 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O actual edifício da Ermida de Santa Luzia data do início do século XVI, correspondendo a uma singela tipologia manuelina, com nave única, abobadada, de planta rectangular, capelas laterais e capela-mor quadrangulares. As paredes da nave são vazadas por arcadas cegas, ao modo de grandes nichos; o arco triunfal, de volta perfeita, assenta em pilares facetados com capiteis de volumetria e ornamentação manuelina.
De bastante interesse são as pinturas a têmpera ainda visíveis nas capelas laterais, cobrindo abóbadas e panos murários até meia altura, e terminando onde seguramente estaria um rodapé decorativo. Representam cenas da vida da Virgem, santos portando os seus atributos, e requintadas figuras de anjos exibindo emblemas.
No exterior, os diversos corpos, contrafortados, distribuem-se em volumes escalonados, sendo mais baixo o da capela-mor, cujos contrafortes são rematados por coruchéus com merlões chanfrados. Sobre a fachada principal destaca-se um pequeno campanário, sobre um frontão triangular rematado por murete ou platibanda. O portal é muito simples, de verga recta, sobrepujado por um estreito lintel e um óculo semicircular.
A ermida, não sendo particularmente característica, inscreve-se ainda assim no género regional dos pequenos templos quinhentistas alentejanos, com contrafortes robustos e coruchéus ameiados, situados junto às cinturas defensivas dos burgos, e muitas vezes afectas ao serviço dos cemitérios locais. SML