Saltar para o conteúdo principal da página

Fortim de Montedor - detalhe

Designação

Designação

Fortim de Montedor

Outras Designações / Pesquisas

Forte Paçô
Forte de Montedor / Fortim de Montedor / Forte Paçô(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Militar / Fortim

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Viana do Castelo / Viana do Castelo / Carreço

Endereço / Local

-- a N. do monte de Montedor
Montedor

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 47 508, DG, I Série, n.º 20, de 24-01-1967 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Durante as Guerras da Restauração, entre 1640 e 1668, foi delineada uma linha defensiva ao longo da costa atlântica para impedir eventuais ataques da armada espanhola. Na região do Alto Minho foram remodeladas diversas fortificações já existentes, como o forte da Santiago da Barra, na foz do rio Lima em Viana, ou o forte da Ínsua, em Caminha, fronteiro à margem galega do Minho. Ao mesmo tempo eram construídas novas fortalezas integradas nesta linha defensiva, para reforçar a defesa daquela zona da costa, bastante permeável.
O Forte de Paçô, ou Fortim de Montedor, foi construído nessa época, reforçando o fogo defensivo dos fortes da Areosa e do Cão. Desconhece-se a autoria do projecto da fortaleza, no entanto a estrutura apresenta evidentes semelhanças com o forte da Areosa.
De pequenas dimensões, o Fortim de Montedor desenvolve-se em planta estrelada, com quatro baluartes desiguais. A face voltada ao mar é de forma curva, a face oposta é côncava; nesta foi inscrito o pórtico do forte, em arco de volta perfeita. No seu interior o espaço foi dividido em pequenos compartimentos, formando um corredor no centro da praça.
A importância defensiva do Fortim de Montedor manteve-se ao longo das centúrias seguintes, tendo um papel preponderante tanto durante as Invasões Francesas como nas lutas liberais de meados do século XIX.
Em 1983 o forte passou para a alçada da Região de Turismo do Alto Minho, passando a ser equacionado o aproveitamento turístico e cultural do espaço. No ano de 1995 foi elaborado um projecto da autoria do arquitecto Luís Teles para adaptação do forte a restaurante, posteriormente substituído por outro projecto, do mesmo arquitecto, para instalar em Montedor um centro de interpretação e de apoio a percursos ambientais. Actualmente o imóvel está a ser objecto de acções de conservação e restauro.
Catarina Oliveira
IPPAR/2004

Imagens

Bibliografia

Título

A gloriosa história dos mais belos castelos de Portugal

Local

Barcelos

Data

1969

Autor(es)

PERES, Damião

Título

Roteiro Arqueológico de Viana do Castelo

Local

Viana do Castelo

Data

1992

Autor(es)

LEAL, António J. M. da Cunha