Saltar para o conteúdo principal da página

Casa de São Miguel - detalhe

Designação

Designação

Casa de São Miguel

Outras Designações / Pesquisas

Casa de São Miguel(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Casa

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Viseu / Viseu / Viseu

Endereço / Local

Rua Alferes Maldonado
Viseu

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 95/78, DR, I Série, n.º 210, de 12-09-1978 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Os alicerces primitivos da Casa de São Miguel foram executados pelos frades capuchos do Mosteiro de São Francisco de Orgens cerca de 1633, que compraram o terreno a David Álvares, mestre de obras de Viseu.
Desde os finais do século XVI que a comunidade franciscana havia decidido transferir o convento de Orgens para Viseu, devido à ruína do complexo monacal que habitavam. Os frades acharam mais vantajosos despender o dinheiro das obras na construção de um novo mosteiro, mais perto da cidade de Viseu, em vez de mandarem reparar o velho cenóbio (ALVES, Alexandre, 2001).
Desta forma, em 1603 Frei Leonardo de Jesus, Padre Guardião do mosteiro, dirigiu um requerimento à Câmara de Viseu, visando a deslocação da comunidade. Em 1613 D. Filipe II acabaria por consentir na mudança da Casa do Mosteiro, sendo os religiosos obrigados a comprar o terreno onde haveriam de construir o novo complexo monacal (Idem, ibidem).
O primeiro local onde se fixaram foi São Miguel do Feital, no ano de 1633, onde deram início à construção de um edifício e de uma capela. Permaneceram no local até 1635, ano em que resolveram instalar-se nas casas da Quinta de Mançorim, vendendo a propriedade de São Miguel a João Mesquita Cardoso de Cáceres, que concluiu a edificação da casa.
A Casa de São Miguel, um palacete seiscentista de planta rectangular, apresenta um modelo modesto, de linhas austeras, que se desenvolve horizontalmente, de acordo com o gosto da época. O edifício, de grande simplicidade estrutural e decorativa, apresenta uma concepção regular que imprime simetria ao conjunto.
A fachada principal é marcada pela abertura de janelas a espaços regulares, dispostas apenas no registo superior, possuindo ao centro uma escadaria de acesso ao andar nobre, com alpendre. A fachada posterior possui uma loggia, sustentada por colunas toscanas, e um painel de azulejos com a figura de São Miguel.
A divisão interna da casa faz-se segundo os pressupostos tratadísticos da época. O piso inferior destinava-se a áreas de serviço, como as arrecadações, cozinha e adega, e o piso superior à zona de habitação. O andar nobre da casa de São Miguel possui um átrio interior, que faz a ligação entre as salas da casa, comunicantes entre si.
A propriedade é delimitada por um muro com portão nobre, encimado pelas armas da família proprietária e inclui um espaço de jardim.
O morgadio da Casa de São Miguel foi instituído na segunda metade do século XVIII por Manuel da Mesquita Cardoso do Amaral, permanecendo na posse dos seus descendentes até à actualidade.
Catarina Oliveira
IPPAR/2005

Imagens

Bibliografia

Título

Guia de Portugal, Beira II - Beira Baixa e Beira Alta

Local

Lisboa

Data

1984

Autor(es)

DIONÍSIO, Sant'Ana

Título

Palácios e solares portuguezes (Col. Encyclopedia pela imagem)

Local

Porto

Data

1900

Autor(es)

SEQUEIRA, Gustavo de Matos

Título

Solares Portugueses

Local

Lisboa

Data

1988

Autor(es)

AZEVEDO, Carlos de

Título

Memórias do extinto Mosteiro de São Francisco do Monte de Orgens (Viseu), Revista Millenium, nº 22, Abril de 2001

Local

Viseu

Data

2001

Autor(es)

ALVES, Alexandre

Título

Viseu

Local

Lisboa

Data

1989

Autor(es)

CORREIA, Alberto