Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja de Nossa Senhora da Assunção, matriz de Sambade - detalhe

Designação

Designação

Igreja de Nossa Senhora da Assunção, matriz de Sambade

Outras Designações / Pesquisas

Igreja Paroquial de Sambade / Igreja de Nossa Senhora da Assunção / Igreja de Nossa Senhora das Neves (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Bragança / Alfândega da Fé / Sambade

Endereço / Local

EN 315
(a 9 km de Alfândega da Fé)

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 25 336, DR, I Série, n.º 110, de 15-05-1935 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Sambade, a maior freguesia do concelho de Alfândega da Fé, é conhecida como terra dos cardadores, devido à importância da indústria de lãs que aí floresceu até ao final do século XVIII. A sua designação, documentada desde o século X com a denominação de Sambati, deverá corresponder ao nome de um padre que viveu no século VIII nas Astúrias, e que terá contestado a heresia dos monotelistas (VILARES, p. 223).
A igreja matriz é dedicada a Nossa Senhora da Assunção, padroeira da freguesia, encontrando-se a sua imagem, em mármore, inscrita no nicho existente na fachada posterior do templo.
No local onde hoje se ergue a igreja, deveria ter existido uma outra, dado que foram encontrados vestígios de construções anteriores, aquando das obras da actual. Esta, foi terminada em 1798, desconhecendo-se a data de início da intervenção. Todavia, a imponente edificação, levada a cabo a expensas da população e, particularmente, de uma família de apelido Silva, deverá ter sido demorada, dado o custo elevado da mesma (VILARES, pp. 227-228).
Exemplo de arquitectura barroca e neoclássica, a igreja de Sambade desenvolve-se em planta longitudinal, com capela-mor mais baixa e mais estreita que a nave, uma torre sineira no plano da fachada, a sacristia do lado Norte e, do lado oposto, um anexo denominado Casa das Almas. A fachada principal, bastante recortada, é rematada por um frontão interrompido de aletas, com cruz ao centro. O portal apresenta uma configuração semelhante à da fachada, com frontão semicircular, interrompido pela janela, de linhas curvas, que se projecta a partir do centro do frontão.
Os restantes alçados são rasgados por janelas de configuração muito semelhante entre si, com arco abatido e molduras recortadas, e na fachada Norte abre-se um portal de arco abatido. A torre sineira, com relógio, ergue-se do lado esquerdo, rasgada por duas janelas sobrepostas.
No interior, destacam-se os cinco altares, dedicados a São Miguel e às Almas, ao Calvário, ao Sagrado Coração de Jesus e a Nossa Senhora das Dores, todos eles em talha policromada e de gosto rococó. O retábulo-mor, também em talha, mas branca com pormenores dourados, ocupa toda a superfície da capela, tendo sido executado numa época mais tardia, reflectindo, por isso mesmo, uma linguagem já neoclássica.
Ainda na capela-mor, o tecto, pintado no século XIX, exibe a representação de Cristo, ao centro, rodeado pelos quatro Evangelistas. Na nave do templo, coexistem dois púlpitos, um de cada lado, em granito trabalhado, e cinco confessionários embutidos nas paredes. O coro é sustentado por duas colunas, acedendo-se-lhe através das mesmas escadas que seguem para a torre sineira. Sob esta, encontra-se a Pia Baptismal.
(Rosário Carvalho)

Imagens

Bibliografia

Título

Portugal antigo e moderno: diccionario geographico, estatistico, chorographico, heraldico, archeologico, historico, biographico e etymologico de todas as cidades, villas e freguezias de Portugal e de grande numero de aldeias...

Local

Lisboa

Data

1990

Autor(es)

PINHO LEAL, Augusto Soares d'Azevedo Barbosa de, FERREIRA, Pedro Augusto

Título

Monografia do Concelho de Alfândega da Fé

Local

Porto

Data

1926

Autor(es)

VILARES, João Baptista