Saltar para o conteúdo principal da página

Edifício na Rua do Arco da Graça, esquina com a Calçada Nova do Colégio - detalhe

Designação

Designação

Edifício na Rua do Arco da Graça, esquina com a Calçada Nova do Colégio

Outras Designações / Pesquisas

Edifício na Rua do Arco da Graça, n.º 39 - 43(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Edifício

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Lisboa / Arroios

Endereço / Local

Calçada Nova do Colégio
Lisboa

Número de Polícia: 1-7

Rua do Arco da Graça
Lisboa

Número de Polícia: 39-43

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 2/96, DR, I Série-B, n.º 56, de 6-03-1996 (ver Decreto)
Edital N.º 65/94 de 3-05-1994 da CM de Lisboa (idêntico ao anterior)
Edital N.º 116/93 de 8-10-1993 da CM de Lisboa
Despacho de homologação de 9-10-1980
Parecer de 3-10-1980 da Comissão "ad hoc" do IPPC a propor a classificação como IIP
Proposta de classificação de 30-09-1980 do IPPC

ZEP

Despacho de 18-10-2011 do diretor do IGESPAR, I.P. a concordar com o parecer e a devolver o processo à DRC de Lisboa e Vale do Tejo para apresentar propostas de ZEP individuais, ou conjuntas nos casos em que tal se justifique
Parecer de 10-10-2011 da SPA do Conselho Nacional de Cultura a propor o arquivamento
Proposta de 22-08-2006 da DR de Lisboa para a ZEP conjunta do Castelo de São Jorge e restos das cercas de Lisboa, Baixa Pombalina e imóveis classificados na sua área envolvente

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Apesar de bastante alterado e modificado por acrescentos recentes, especialmente ao nível dos espaços internos, e do grau de abandono em que se encontra, este edifício é um bom exemplo do nível de qualidade e preocupação urbanística que a arquitectura civil nacional alcançou na cidade de Lisboa no século XVIII, significando mesmo um protótipo muito seguido na arquitectura residencial urbana ao longo do século XIX. O prédio, que se implanta numa zona de acentuado declive, desenvolve-se verticalmente em seis pisos, os quatro intermédios idênticos entre si e o último mais pequeno, como que a coroar toda a fachada principal. Num dos cunhais ainda é possível observar um medalhão formado por uma coroa vegetal, derradeiro vestígio da época original de construção.
PAF

Imagens