Saltar para o conteúdo principal da página

Capela do antigo Convento dos Cardais - detalhe

Designação

Designação

Capela do antigo Convento dos Cardais

Outras Designações / Pesquisas

Capela do Convento dos Cardais / Capela de Nossa Senhora da Conceição dos Cardais / Convento dos Cardais / Convento de Nossa Senhora da Conceição / Capela de Nossa Senhora da Conceição dos Cardais(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Convento

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Lisboa / Misericórdia

Endereço / Local

Rua do Século
Lisboa

Rua Eduardo Coelho
Lisboa

Número de Polícia: 1

Travessa da Conceição
Lisboa

Travessa da Horta
Lisboa

Largo de Jesus
Lisboa

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 32 973, DG, I Série n.º 175, de 18-08-1943 (Capela) (ver Decreto)
Decreto n.º 30 838, DG, I Série, n.º 254, de 1-11-1940 (ver Decreto) (suspendeu o diploma anterior quanto aos imóveis que fossem propriedade particular, até que se cumprisse o disposto no art.º 25.º do Decreto n.º 20 985, DG, I Série, n.º 56, de 7-03-1932 (ver Decreto))
Decreto n.º 30 762, DG, I Série, n.º 225, de 26-09-1940 (ver Decreto)

ZEP

Declaração de rectificação n.º 874/2011, DR, 2.ª série, n.º 98, de 20-05-2011 (retificou para ZEP do Bairro Alto e imóveis classificados na sua envolvente) (ver Declaração)
Portaria n.º 398/2010, DR, 2.º série, n.º 112, de 11-06-2010 (sem restrições) (fixou a ZEP do Bairro Alto) (ver Portaria)
Despacho de homologação de 11-11-2009 da Ministra da Cultura para a ZEP Conjunta do Bairro Alto e Imóveis Classificados na sua Área Envolvente
Parecer favorável de 23-05-2008 do Conselho Consultivo do IGESPAR, I.P.
Proposta de 29-09-2005 da DRC de Lisboa e Vale do Tejo

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Foi D. Luísa de Távora, comendadeira do Convento de Santos-o-Novo, quem decidiu em 1677, por desejar "maior sossego para se entregar aos exercícios espirituais de piedade e devoção" (CUMBRE, 1994, p. 302), fundar um convento de Carmelitas Descalças, numas casas que possuía no sítio dos Cardais.
D. Luísa, que havia ingressado na vida religiosa depois da morte do seu marido, Luís Francisco de Oliveira e Miranda, possuía uma das maiores fortunas da época, pelo que para além de doar os terrenos para a construção da casa religiosa, instituiu uma renda anual para patrocinar a fábrica de obras.
No ano de 1681, com as obras ainda por terminar, ingressaram no cenóbio as primeiras religiosas, oriundas de outras casas carmelitas, e no dia 8 de Dezembro desse mesmo ano, o convento foi sagrado a Nossa Senhora da Conceição.
Nos anos seguintes, continuaram as obras de acabamentos e decoração do templo, e com a morte da fundadora em 1693, o padroado passou para o seu neto, D. José de Meneses de Távora, estando concluídas em 1703.
O terramoto de 1755 pouco danificou a estrutura do cenóbio, pelo que a traça seiscentista original mantém-se. Com a extinção das ordens religiosas, e a morte da última freira, o edifício passou para a posse do Estado. Em 1877, foi cedido à Associação de Nossa Senhora Consoladora dos Aflitos, sob direcção das Irmãs Terceiras Dominicanas; esta associação, bem como a comunidade religiosa que a dirige habitam o Convento dos Cardais até aos dias de hoje.
A Capela de Nossa Senhora da Conceição dos Cardais dispõe-se longitudinalmente, sendo a sua planta composta por dois corpos rectangulares justapostos. Tal como era regra nos templos dos conventos femininos, a entrada faz-se pela fachada lateral, onde foram rasgadas duas portas de moldura simples, rematadas por pequenos frontões, que integram nichos com as imagens de São José e Nossa Senhora da Conceição.
O interior, de nave única, é iluminado por inúmeras janelas rasgadas no remate dos panos murários, possuindo antecoro, coro alto, coro baixo e sacristia. Contrastando com a austeridade da estrutura arquitectónica, destaca-se o sumptuoso programa decorativo interior, de grande impacto cénico.
As paredes laterais da nave são cobertas, até meia altura, por painéis de azulejo azul e branco de proveniência holandesa, assinados por Jan van Oort de Amsterdão. Os painéis representam episódios da vida de Santa Teresa de Ávila, reproduzindo gravuras de Adrian Collaert e Cornelis Galle. Estes são encimados por molduras de talha dourada, de estilo nacional, onde foram colocadas, no primeiro quartel do século XVIII, telas a óleo; as do lado da Epístola são atribuídas a António Pereira Ravasco, duas outras, nomeadamente a Anunciação, terão sido pintadas por André Gonçalves.
O espaço da capela-mor é decorado a toda a volta por embutidos de mármore polícromos, de gosto florentino, numa magnífica composição, que se atribui ao arquitecto João Antunes. Ao centro, comporta um retábulo de talha dourada de estilo nacional, edificado pelo entalhador José Rodrigues Ramalho, onde se destaca a imponência da composição, com sacrário e tribuna e uma tela amovível, representando a Imaculada Conceição, com a figuração de santos carmelitas, atribuída a André Gonçalves. Este conjunto assenta sobre o altar de pedra, também adornado por "embrechados" de mármore.
Catarina Oliveira
DIDA/IGESPAR, I.P./ 15 de Outubro de 2007

Imagens

Bibliografia

Título

Conventos de Lisboa

Local

Lisboa

Data

1989

Autor(es)

CAEIRO, Baltazar

Título

Azulejaria Portuguesa

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

MECO, José

Título

O Convento dos Cardaes. Veios da memória

Local

Lisboa

Data

2003

Autor(es)

VIEIRA, Ana Maria, Irmã, AGUIAR, Manuel de

Título

Conceição dos Cardais (Convento de Nossa Senhora da), Dicionário da História de Lisboa

Local

Lisboa

Data

1994

Autor(es)

CUMBRE, José Pavia

Título

Monumentos e edifícios notáveis do distrito de Lisboa, vol. V (2º tomo)

Local

Lisboa

Data

1975

Autor(es)

ALMEIDA, D. Fernando de

Título

Resistências e aceitação do espaço barroco: a arquitectura religiosa e civil, História da Arte em Portugal, vol. 8

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

PEREIRA, José Fernandes