Saltar para o conteúdo principal da página
Património Cultural

Capela de Nossa Senhora da Quinta do Candeeiro - detalhe

Designação

Designação

Capela de Nossa Senhora da Quinta do Candeeiro

Outras Designações / Pesquisas

Casa da Quinta do Candeeiro (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Capela

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Loures / Moscavide e Portela

Endereço / Local

- junto à Estrada da Circunvalação
Moscavide

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 45/93, DR, I Série-B, n.º 280, de 30-11-1993 (ver Decreto)
Edital de 15-09-1986 da CM de Loures
Despacho de homologação de 5-11-1984 do Ministro da Cultura
Despacho de concordância do vice-presidente do IPPC
Parecer de 26-10-1984 da Assessoria Técnica do IPPC a propor a classificação como IIP
Proposta de classificação de 26-09-1984 do IPPC

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Edificada em 1710 por iniciativa de Lázaro Monjardim, a capela de Nossa Senhora insere-se na Quinta do Candeeiro, cuja casa de habitação é um edifício setecentista, muito possivelmente contemporâneo do pequeno templo que se ergue perpendicular à fachada principal.
Lázaro Monjardim, que faleceu em 1749, encontrava-se ligado aos italianos da igreja do Loreto, em Lisboa, aí desempenhando o cargo de Mordomo do Culto Divino, em 1718, e o de Visitador dos Hospitais Italianos, a partir de 1723. Nesta sua casa em Loures destaca-se a capela, de dimensões reduzidas mas com um programa iconográfico que revela um coerente discurso mariano. A nave é decorada por pinturas murais seccionadas por pilastras trabalhadas em relevo, organizando-se em dois registos: o primeiro correspondente a um silhar apainelado, e o segundo com representações da vida da Virgem.
O tecto, em abóbada, é decorado por motivos de grinaldas, volutas e florões que envolvem símbolos alusivos a Nossa Senhora. Na capela-mor, o retábulo neoclássico, exibe uma tela com a Coroação da Virgem.
O contraste entre este interior, profusamente decorado, e a arquitectura sóbria da fachada da capela e, também, do conjunto da casa de habitação, é bastante evidente. Dividida por dois frisos, define-se um primeiro registo aberto pelo portal e pela porta e janela que o flanqueiam, um segundo com igual número de janelas simétricas em relação às primeiras, e um terceiro cego. Já sobre a linha da cornija ergue-se um outro piso, com janelas abertas no telhado. A sineira, encontra-se sobre o muro, à esquerda. Ganha especial interesse o óculo oval sobre o portal principal, enquadrado por volutas e palmas e encimado por cruz.
Não se conhece o autor deste conjunto, muito embora a ligação de Lázaro Monjardim à comunidade italiana em Lisboa seja um dado a ter em conta em investigações futuras.
Em 1782 a Quinta foi adquirida por outra família, mudando de proprietários algumas vezes até ser comprada, em 1942, pela congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima, que aqui instalam o seu noviciado (STOOP. 1986, p. 371). A casa de habitação foi objecto, ao longo destes anos, de várias intervenções.
(Rosário Carvalho)

Imagens

Bibliografia

Título

Quintas e palácios nos arredores de Lisboa

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

STOOP, Anne de