Saltar para o conteúdo principal da página

Pelourinho de Elvas - detalhe

Designação

Designação

Pelourinho de Elvas

Outras Designações / Pesquisas

Pelourinho de Elvas(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Pelourinho

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Portalegre / Elvas / Caia, São Pedro e Alcáçova

Endereço / Local

Largo de Santa Clara
Elvas

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 23 122, DG, I Série, n.º 231, de 11-10-1933 (ver Decreto) Ver inventário elaborado pela ANBA

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Elvas recebeu primeiro foral de D. Sancho II, em 1229, e Foral Novo de D. Manuel, em 1512, no ano anterior à sua elevação a cidade. Embora se tenha certamente erguido um pelourinho na sequência da carta de foral manuelina, nada se conhece actualmente desse monumento. O pelourinho de Elvas será na realidade o mesmo que se erguia no antigo concelho de Ouguela (hoje integrado em Campo Maior), que recebeu Foral Novo no mesmo ano de 1512. A extinção do concelho, no século XIX, poderá ter justificado a retirada da picota, cuja localização ainda é evocada no topónimo do Largo do Pelourinho, no interior do castelo. A coluna quinhentista terá sido desmontada em 1872, e os seus componentes levados para Elvas, onde ficaram depositados no Museu Municipal. Remontado em c. 1942, desta feita na localização actual (diante da Sé), recebeu algumas peças novas, em parte identificáveis através da observação cuidada do monumento. Será o caso do pedestal, em mármore, e dos degraus de acesso ao fuste, já que os originais terão ficado em Ouguela. Também o capitel e o remate são nitidamente peças modernas, embora os ferros de sujeição, intactos, sejam supostamente quinhentistas (Luís KEIL, 1943).
Sobre uma plataforma octogonal, talhada para vencer o desnível do terreno, ergue-se um soco de quatro degraus também octogonais, de aresta viva, servindo de suporte à coluna. O fuste assenta sobre base prismática, decorada com uma molduração horizontal, e rematada por escócia decorada com bolas, e bocel. O fuste, cilíndrico, é composto por dois troços de altura idêntica, espiralados sinistorsum, com espirais decoradas por fiadas de bolas, unidos por anel central torso. O capital é composto por coxim cilíndrico liso, com bolas, e ábaco quadrado saliente, ornado de um motivo espinhado, e rematado por moldura em torsade. Os ferros de sujeição, em cruz, com o formato de serpes e conservando as argolas, foram inseridos entre o capitel e o remate piramidal, com arestas decoradas por bolas. SML

Imagens

Bibliografia

Título

Inventário Artístico de Portugal - vol. I (Distrito de Portalegre)

Local

Lisboa

Data

1943

Autor(es)

KEIL, Luís

Título

Elvas

Local

Lisboa

Data

1995

Autor(es)

PEREIRA, Mário, RODRIGUES, Jorge

Título

Pelourinhos Portugueses, Tentâmen de Inventário Geral

Local

Lisboa

Data

1997

Autor(es)

MALAFAIA, E. B. de Ataíde

Título

Elementos para um diccionário de geographia e história portugueza: concelho d'Elvas e extinctos de Barbacena, Villa-Boim e Villa Fernando

Local

Elvas

Data

1891

Autor(es)

ALMADA, Victorino de