Saltar para o conteúdo principal da página

Lapa da Bugalheira - detalhe

Designação

Designação

Lapa da Bugalheira

Outras Designações / Pesquisas

Lapa dos Coelhos / Lapa da Bugalheira no Lugar de Almonda / Lapa dos Coelhos(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Necrópole

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Santarém / Torres Novas / Zibreira

Endereço / Local

E.M. Zibreira - Almonda
Lugar de Almonda

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 35 817, DG, I Série, n.º 187, de 20-8-1946 (ver Decreto)
Despacho de homologação do Secretário de Estado da Educação Nacional
Parecer de 18-03-1944 da 2.ª Subsecção da 6.ª Secção da JNE a propor a classificação como IIP

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Esta região do actual território português concentrou desde finais do século passado a atenção de parte significativa de quem se dedicava, então, aos estudos arqueológicos, de um modo geral, e aos pré-históricos, em particular.
Não surpreenderá, por conseguinte, que a década de setenta de novecentos trouxesse um novo vigor às investigações até então pontualmente conduzidas por nomes maiores dos precursores portugueses nesta área de intervenção, mormente com a publicação dos materiais recolhidos durante as escavações realizadas ainda nos anos quarenta por Afonso do Paço (1895-1968), Georges Zbyszewski (1909-1998) e Octávio da Veiga Ferreira (1917-?) na "Lapa da Bugalheira" (ou "Lapa dos Coelhos", como será localmente mais conhecida), ao mesmo tempo que davam indicações relativas a outras grutas existentes nas imediações, como, precisamente, a da "Bugalheira" (FÉLIX, Paulo Jorge Soares, 1999, pp. 14-15).
A região onde se encontra implantada sobressai, como tantas outras, pelos registos de acentuada antiguidade de povoamento humano, a exemplo, ademais, da própria gruta em epígrafe, cujo interior forneceu abundantes vestígios desta mesma realidade, ao mesmo tempo que da sua reutilização em períodos subsequentes.
Identificada ainda entre finais de oitocentos, princípios de novecentos, a Lapa da Bugalheira (composta de uma cavidade natural aberta no arrife) foi objecto de estudo mais aturado, como fizemos referência (vide supra), já na década de quarenta (Cf. PAÇO, A. do, VAULTIER, M., ZBYSZEWSKI, G., 1942), numa altura em que a região voltou a merecer o interesse de geólogos e pré-historiadores, incentivados pela evidente riqueza arqueológica deste termo do actual território português, mercê, sem dúvida, das actividades entretanto ampliadas nos referenciais "Serviços Geológicos de Portugal", nomeadamente após o término da II Guerra Mundial, que trouxe, ademais, ao nosso país, nomes fundamentais para o desenvolvimento destas duas áreas científicas entre nós.
Escavações estas que permitiram, já no decénio seguinte (de cinquenta) a identificação de um conjunto assinalável de artefactos datáveis do Bronze Final, até que, nos anos setenta, se assistiu à publicação dos materiais exumados até à data (Cf. FERREIRA, O. da V., PAÇO, A. do, ZBYSZEWSKI, G., 1971).
Não obstante, os estudos conduzidos desde então colocaram a descoberto uma segunda galeria, confirmando, assim, a existência de uma utilização anterior, ocorrida no Neolítico (embora pareçam existir indícios de uma ocupação atribuível ao Paleolítico superior), e reutilizada já no Calcolítico, numa comprovação, não apenas da reapropriação de um mesmo "lugar-simbólico", como da perduração, durante uma larga faixa temporal, da fixação humana numa zona particularmente propícia à sobrevivência de comunidades humanas, em razão dos bons recursos cinegéticos aí existentes, a exemplo do rio Almonda, cuja nascente se situa, justamente, a Sul do sítio (Cf. ARAÚJO, A. C. R. da S., ZILHÃO, J. C. T., 1991).
Dos materiais recolhidos, constam fragmentos cerâmicos, pontas de seta, alabardas, lâminas, micrólitos, machados de pedra polida e enxós, a par de elementos de adorno e das características placas de xisto, associadas às inumações individuais.
[AMartins]

Bibliografia

Título

A região nabantina no final da Pré-História: algumas considerações acerca do estudo do povoamento do I milénio a. C., Boletim Cultural da Câmara Municipal de Tomar

Local

Tomar

Data

1993

Autor(es)

FÉLIX, Paulo Jorge Soares

Título

Nota sobre a lapa da Bugalheira, Actas do 1º Congresso Nacional de Ciências Naturais

Local

Lisboa

Data

1942

Autor(es)

PAÇO, Manuel Afonso do, ZBYSZEWSKI, Georges, VAULTIER, Maxime

Título

As ocupações das Idades do Cobre e do Bronze na Lapa da Bugalheira (Torres Novas), Nova Augusta

Local

Torres Novas

Data

1966

Autor(es)

CARREIRA, Júlio Roque

Título

Resultado das escavações na Lapa da Bugalheira (Torres Novas), Comunicações dos Serviços Geológicos de Portugal

Local

Lisboa

Data

1971

Autor(es)

FERREIRA, Octávio da Veiga, PAÇO, Manuel Afonso do, ZBYSZEWSKI, Georges

Título

Os elementos de adorno do paleolítico Superior de Portugal, Arqueologia

Local

Porto

Data

1980

Autor(es)

ROCHE, Jean, FERREIRA, Octávio da Veiga

Título

Arqueologia do Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros, Colecção Estudos

Local

Lisboa

Data

1991

Autor(es)

ZILHÃO, João, ARAÚJO, Ana Cristina Reis da Silva

Título

O final da Idade do Bronze no Centro-Oeste Peninsular: a construção do Ribatejo Norte, Revista de Guimarães

Local

Guimarães

Data

1999

Autor(es)

FÉLIX, Paulo Jorge Soares