Saltar para o conteúdo principal da página

Fábrica de moagem do Caramujo (antiga) - detalhe

Designação

Designação

Fábrica de moagem do Caramujo (antiga)

Outras Designações / Pesquisas

Fábrica de Moagem do Caramujo(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Fábrica

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Setúbal / Almada / Almada, Cova da Piedade, Pragal e Cacilhas

Endereço / Local

Rua Manuel José Gomes
Caramujo

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 5/2002, DR, I Série-B. n.º 42, de 19-02-2002 (ver Decreto)
Edital N.º 42 de 16-06-1997 da CM de Almada
Despacho de homologação de 27-03-1997 do Ministro da Cultura
Despacho de concordância de 12-03-1997 do presidente do IPPAR
Parecer de 10-03-1997 do Conselho Consultivo do IPPAR a propor a classificação como IIP
Em 29-05-1992 foi dado conhecimento do despacho à CM de Almada
Despacho de 15-04-1992 do vice-presidente do IPPC a determinar a abertura da instrução do processo de classificação
Proposta de 15-04-1992 do IPPC para a abertura da instrução de processo de classificação
Proposta de classificação de 22-01-1992 do Professor Arquitecto Carlos Antero Ferreira

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A Fábrica do Caramujo foi construída em 1872 e, poucos anos depois, em 1889, foi adicionado um corpo ao anterior conjunto de quatro pavimentos erguido na década de 70. A 10 de Junho de 1897, a fábrica sofreu um violento incêndio, que a destruiu quase por completo. O então proprietário, confrontado com a fragilidade da anterior construção, patrocinou uma nova edificação, para que «semelhante catástrofe não pudesse voltar a repetir-se" (cf. FLORES, 1992, p.72). O projecto levou somente um ano a ser efectivado, estando terminado no Verão de 1898, e o resultado foi a "primeira obra arquitectónica integralmente estruturada em betão armado e executada em Portugal" (SANTOS, 1993, p.43), processo de origem francesa (patenteado por François Hennebique) e introduzido em Portugal dois antes do incêndio do Caramujo.
Em termos funcionais, a "nova" fábrica obedeceu à planta e volumetria do edifício original. Seis pisos, diferenciados de acordo com as várias fases de transformação dos cereais, faziam com que o circuito de produção fosse concentrado num só edifício. O ciclo moageiro iniciava-se pelo andar superior, pela trituração, aproveitando a gravidade, e culminava no piso térreo, onde se processava a carga e descarga de produtos. Os dois primeiros pisos têm uma curiosa organização em relação à fachada principal, que se estrutura em pé-direito duplo, com altos janelões, sem que se denuncie, do lado exterior, os dois pisos aqui incluídos. A fachada principal é algo classicizante, com três panos verticais, hierarquizados a partir das dimensões dos vãos (mais amplos os do corpo central e mais estreitos os dos laterais). No topo, coroando a frontaria, eleva-se platidabanda tripartida corrida, com urnas nas extremidades, que enquadram um alto frontão com a legenda da empresa proprietária da fábrica - A. J. GOMES & C. -, encimado por tímpano triangular.
A derradeira grande fase de obras no conjunto ocorreu em 1960, quando uma parte do esquema construtivo de 1898 foi sacrificado em benefício de uma modernização, cujo principal elemento foi a inclusão de silos cilíndricos adossados ao edifício. A decadência, todavia, chegou pouco tempo depois, o que determinou a paralização dos trabalhos e o início de um relativamente longo processo de decadência. Em 2002, a Câmara Municipal de Almada adquiriu o imóvel à Sociedade Industrial Aliança, facto que significou o primeiro passo para a manutenção do monumento enquanto marca do impacto que a Industrialização teve no concelho e como símbolo de um processo construtivo - o betão armado - que tanto sucesso conheceu no século XX.
PAF

Imagens

Bibliografia

Título

Almada Antiga e Moderna - Roteiro Iconográfico - vol. III (freguesia da Cova da Piedade)

Local

Almada

Data

1990

Autor(es)

FLORES, Alexandre M.

Título

António José Gomes. O Homem e o Industrial

Local

Almada

Data

1992

Autor(es)

FLORES, Alexandre M.

Título

A Fábrica de Moagem do Caramujo (1897-1898). Novos dados sobre a introdução do betão armado em Portugal, Jornadas de Estudo sobre Almada, pp.43-48

Local

Almada

Data

1993

Autor(es)

SANTOS, António Maria A.

Título

Para o estudo da Arquitectura Industrial na região de Lisboa (1846-1918), Dissertação de Mestrado apresentada à Universidade Nova de Lisboa

Local

Lisboa

Data

1996

Autor(es)

SANTOS, António Maria A.

Título

A fábrica de moagem «António José Gomes» em Almada. Um caso pioneiro da arquitectura do betão em Portugal (1897-98), II Jornadas Ibéricas do Património Industrial

Local

Lisboa

Data

1994

Autor(es)

SANTOS, António Maria A.

Título

Arquitectura Moderna e Obra Global a partir de 1900

Local

Porto

Data

2009

Autor(es)

TOSTÕES, Ana