Saltar para o conteúdo principal da página
Património Cultural

Sítio de Santa Eufémia da Serra, incluindo a ermida de Santa Eufémia - detalhe

Designação

Designação

Sítio de Santa Eufémia da Serra, incluindo a ermida de Santa Eufémia

Outras Designações / Pesquisas

Conjunto Monumental de Santa Eufémia / Conjunto Monumental de Santa Eufémia / Sítio de Santa Eufémia da Serra / Ermida de Santa Eufémia (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Conjunto

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Sintra / Sintra (Santa Maria e São Miguel, São Martinho e São Pedro de Penaferrim)

Endereço / Local

Largo de São Pedro
Santa Eufémia da Serra

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 5/2002, DR, I Série-B. n.º 42, de 19-02-2002 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

Abrangido pela "Paisagem Cultural e Natural de Sintra", incluída na Lista de Património Mundial - MN (nº 7 do art.º 15.º da Lei n.º 107/2001, de 8 de Setembro)

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O sítio de Santa Eufémia é um dos mais antigos locais de povoamento humano da serra de Sintra. Na origem, aqui existiu um aglomerado neolítico, datado de c. 4000 a. C., posteriormente utilizado durante a proto-história e o período romano, numa cronologia ocupacional que se prolonga até ao século II d. C. As privilegiadas condições de defesa do local terão determinado uma tão ancestral ocupação humana, que continuou pelos séculos mais recentes.
Sem informações durante a Alta Idade Média, só em 1147 a fonte de Santa Eufémia é referida documentalmente, pelo cruzado R. que acompanhou as tropas cruzadas na conquista da cidade de Lisboa (cf. ALVES ed., 1989, p.34). A circunstância de as suas águas possuírem poderes curativos, em particular problemas de tosse, levou a que, no século XIII, se tivesse edificado a ermida, espécie de santuário de romaria que, desde então, se verificou ao sítio.
A actual configuração do conjunto monumental não apresenta qualquer vestígio dessa primitiva edificação medieval, uma vez que, em 1876, por iniciativa de um estrangeiro devoto da santa se reconstruiu integralmente o templo. É de admitir, todavia, que tenham existido outros melhoramentos durante a época moderna, em especial no século XVII, na medida em que o figurino das portas principal e lateral do templo segue um vocabulário comum nessa centúria, de verga recta moldurada e sobrepujada por ligeira cornija. A ermida é modesta, de nave única amparada lateralmente por dois poderosos contrafortes de perfil triangular e capela-mor rectangular, sendo o interior marcado por coro-alto anexo à frontaria, com acesso a partir de porta lateral setentrional, e dois retábulos laterais de talha dourada.
Do complexo religioso fazem ainda parte outras dependências e espaços, fundamentais à romaria que aqui se desenvolveu ao longo dos tempos. A Casa dos Romeiros situa-se a nascente da capela-mor e é um pequeno imóvel (re)construído no século XIX, de planta rectangular e telhado de água única, destinado a acolher um limitado número de pessoas. O largo adro que circunda o templo foi transformado em zona de lazer, contando-se uma tribuna e um coreto, sinais de um período em que teria sido bem maior a devoção.
Mais importante é a fonte (também designada por Casa dos Banhos). O seu actual aspecto data de duas reconstruções, verificadas nos séculos XVIII e XIX, a primeira em 1738, altura em que a velha fonte medieval foi reformulada por iniciativa do capitão Francisco Lopes de Azevedo, e a segunda em 1845, ano em que o Conde de Carvalhais, D. José Maria de Almada da Silveira Lobo, promoveu novas obras. A fonte é de planta trapezoidal (acedendo-se ao seu interior através de um pequeno portal que abre para um espaço diminuto de abóbada de berço), encontrando-se a bica inserida num nicho de arco abatido a que se associa um tanque rectangular.
Estação arqueológica pré-histórica e local de sacralidade cristã convivem, aqui, lado a lado, numa plataforma natural da Serra de Sintra, na sua vertente meridional. Mas enquanto a ermida e respectivo adro têm sido sujeitos a algumas campanhas de restauro e de consolidação das estruturas já existentes (destacando-se o restauro pontual realizado pela Junta de Freguesia de São Pedro de Penaferrim em 1980), o mesmo não se pode dizer do povoado neolítico. Apesar de ser já conhecido há praticamente um século (os primeiros trabalhos de Joaquim Fontes e de Félix Alves Pereira remontam à década de 20), ainda não se efectuaram escavações sistemáticas e, nos últimos anos, a pressão urbanística e a abertura de estradas na serra destruíram parcialmente este habitat. Em 1984, segundo análise de Gustavo Marques, alcatroou-se um troço de estrada que pode bem corresponder a uma antiga via romana e as terraplanagens junto à ermida, ao mesmo tempo que puseram a descoberto alguns troços do povoado, destruíram outros tantos vestígios.
PAF

Imagens

Bibliografia

Título

Aspectos da proto-história do território português - Idade do Ferro. I - Definição e Distribuição Geográfica da Cultura de Alpiarça, Idade do Ferro, Actas do III Congresso Nacional de Arqueologia, vol. I, pp.125-148

Local

Porto

Data

1973

Autor(es)

ANDRADE, Gil Estevam Migueis de, MARQUES, Gustavo

Título

Conquista de Lisboa aos mouros em 1147. Carta de um cruzado que participou nos acontecimentos

Local

Lisboa

Data

1989

Autor(es)

ALVES, José da Felicidade

Título

Inscrições lapidares portuguesas do concelho de Sintra

Local

Sintra

Data

1959

Autor(es)

SOUSA, J. M. Cordeiro de

Título

Sintra do pretérito

Local

Sintra

Data

1957

Autor(es)

PEREIRA, Félix Alves

Título

Sintra

Local

Lisboa

Data

1989

Autor(es)

SERRÃO, Vítor