Saltar para o conteúdo principal da página

Ponte de Sumes - detalhe

Designação

Designação

Ponte de Sumes

Outras Designações / Pesquisas

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Ponte

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Coimbra / Tábua / Midões

Endereço / Local

-- -
Midões

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 29/90, DR, I Série, n.º 163, de 17-07-1990 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A Ponte de Sumes sobre o Rio de Cavalos situa-se a cerca de 5 quilómetros a Sul de Midões, e a cerca de 7 quilómetros de Coito, num local isolado, dando ainda serventia às explorações florestais da envolvente.
Encontra-se num território que durante o período romano foi sede de município e que durante a Idade Média foi couto do Mosteiro de Lorvão, onde no século XII o senhorio da terra se dividia com a Sé de Coimbra. Há notícia de que em 1257 a abadessa deu foral da sua parte à localidade de Midões.
Na actual Póvoa de Midões há uma inscrição comemorativa referente à construção de uma ponte no ano 80 da nossa era e que se situaria no Porto de Midões, edificação que teria perdurado, ou pelo menos os seus vestígios, até ao século XII.
A estrutura da Ponte de Sumes é em alvenaria de pedra, sendo o arco de volta perfeita constituído por aduelas bem talhadas em granito, com uma altura de cerca de 6,4m. O tabuleiro situar-se-ia logo acima do extradorso do arco, encontrando-se aí definida uma linha que marca a fiada final e que posteriormente terá sido alteada em relação à cota inicial em cerca de 1,6m, encontrando-se actualmente o topo da guarda a cerca de 2m do arco. Esta circunstância permitiu uma abordagem mais directa da travessia do vale, mas retirou leveza e elegância à edificação, adicionando-lhe uma maior volumetria. O seu tabuleiro tem assim uma extensão de 50 metros por cerca de 3m de largura, sendo delimitado por uma pequena guarda com 40cm de altura. O mesmo encontra-se pavimentado com lajeado irregular, com falhas, que se prolonga para ambos os acessos.
Esta ponte terá relação com uma via romana que de Bobadela, situada a cerca de 10 quilómetros, seguia para Viseu e que eventualmente integraria a extensa via que de Bracara Augusta chegava a Emerita Augusta. (JAM)

Bibliografia

Título

Pontes Antigas Classificadas

Local

Lisboa

Data

1998

Autor(es)

RIBEIRO, Aníbal Soares

Título

Pontes romanas de Portugal

Local

Lisboa

Data

1999

Autor(es)

PINTO, Paulo Mendes

Título

Inventario Artistico de Portugal - Distrito de Coimbra

Local

Lisboa

Data

1993

Autor(es)

GONCALVES, António Nogueira, CORREIA, Vergílio