Saltar para o conteúdo principal da página

Pelourinho de Midões - detalhe

Designação

Designação

Pelourinho de Midões

Outras Designações / Pesquisas

Pelourinho de Midões (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Pelourinho

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Coimbra / Tábua / Midões

Endereço / Local

Praça do Pelourinho
Midões

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 23 122, DG, I Série, n.º 231, de 11-10-1933 (ver Decreto) Ver inventário elaborado pela ANBA

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Imóvel
Localizado no centro da localidade de Midões, frente aos antigos paços do concelho (em ruínas) e ao Solar dos Machado Albuquerque , o Pelourinho de Midões é uma estrutura de granito dividida em três partes. Na base eleva-se um soco de três degraus quadrangulares, de aresta viva, sobre o qual assenta a base dupla lisa da coluna, com duas secções quadrada de diferente dimensão. Nesta assenta o fuste da coluna, formado por quatro toros verticais lisos, sem torção mas com ligeira curvatura, ou êntase, de forma a corrigir a distorção ótica. O capitel é formado por duas molduras anelares salientes, mediada por uma gola ornamentada com quatro rosetas. O conjunto é rematado por um pináculo torso com florão.
História
Midões, ou Midães, integrou o couto do Mosteiro de Lorvão, tendo sido sede de um concelho instituído na época medieval. Em 1257, a abadessa de Lorvão, D. Marinha Gomes de Briteiros, concedeu carta de foral a este domínio do seu mosteiro, baseando-se numa doação do século X de D. Muna, ampliada por doações posteriores, dos anos de 1119 e de 1131, "de terras e bens em Midões e outras partes que se confrontam" (Pinho: 2017, p. 61).
Em 1514, D. Manuel I outorgou novo foral à vila, e terá sido na sequência desta carta foralenga que foi erigido o pelourinho, que hoje se ergue no centro da localidade. Nesta época, o concelho de Midões cresceu em importância, aglutinando o vizinho concelho de Couto de Midões, sede municipal medieval que não seria considerada na reforma manuelina da administração do território (Pinho: 2017, p. 62). Em 1836 o concelho de Midões era extinto, integrando-se no município de Tábua.
Em 1933, o Pelourinho do Couto de Midões era classificado como de interesse público, em conjunto com a maioria dos exemplares congéneres do país, atendendo à sua importância como memória da "antiga e característica organização social" do território português.
Catarina Oliveira
DGPC, 2019
(em colaboração com Luís Pedro Ferreira, Câmara Municipal de Tábua)

Imagens

Bibliografia

Título

Inventário Artístico de Portugal: distrito de Coimbra

Local

Lisboa

Data

1952

Autor(es)

GONCALVES, António Nogueira, CORREIA, Vergílio

Título

Pelourinhos Portugueses, Tentâmen de Inventário Geral

Local

Lisboa

Data

1997

Autor(es)

MALAFAIA, E. B. de Ataíde

Título

Freguesia de Midões - Uma história milenar (951-2017)

Local

Midões

Data

2017

Autor(es)

PINHO, João Carlos Santos

Título

Tábua: história, arte e memória

Local

Tábua

Data

2009

Autor(es)

DUARTE, Marco Daniel

Título

Pelourinhos do distrito de Coimbra

Local

Viseu

Data

2003

Autor(es)

SOUSA, Júlio Rocha e

Título

Pelourinhos tabuenses, in Arganilia. Revista cultural da Beira-Serra, 3.ª série, n.º 25, Dezembro de 2012, pp. 212-215

Local

Arganil

Data

2012

Autor(es)

MATA, Nuno