Saltar para o conteúdo principal da página

Capela românica de Moreira do Lima - detalhe

Designação

Designação

Capela românica de Moreira do Lima

Outras Designações / Pesquisas

Capela do Espírito Santo
Capela de Moreira do Lima / Capela Românica de Moreira Lima / Capela do Espírito Santo(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Capela

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Viana do Castelo / Ponte de Lima / Cabração e Moreira do Lima

Endereço / Local

EN 202 e E.N. 524
Moreira do Lima

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 44 075, DG, I Série, n.º 281, de 5-12-1961 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A capela do Espírito Santo de Moreira de Lima é uma daquelas construções tardias mas (paradoxalmente ?) arcaizantes, que provam como o Românico foi o estilo de eleição das regiões centro e Norte do país durante largas décadas da Baixa Idade Média, cobrindo densamente vastas regiões interiores e periféricas.
Quer a sua origem, quer a sua função primeira não estão devidamente esclarecidas. Algumas opiniões recuam a primitiva edificação à década de 60 do século XI (Cf. GRAF, 1986, vol.2, p.39; RODRIGUES, 1995, p.226), momento que, a ser verdadeiro, dele nada sobreviveu. A localidade teve, nessa altura, uma igreja paroquial, dedicada a São Cipriano e de que resta apenas a "inscrição comemorativa da conclusão das obras (e da sagração?)" (BARROCA, 2000, p.78), em silhar avulso actualmente colocado na sacristia da igreja de Moreira de Lima. Mas, até ao momento, não se conhecem quaisquer vestígios materiais pré-românicos da capela do Espírito Santo.
Nos séculos seguintes, a história do templo não é melhor conhecida. A grande maioria dos autores reconhece que, na segunda metade do século XII, por patrocínio dos Templários, a capela foi edificada (BARREIROS, 1926, p.24), e faria parte de "um vasto complexo arquitectónico" (ALVES, 1982, p.98). As características estilísticas que evidencia, contudo, refutam esta tão remota antiguidade, e colocam o templo em finais do século XIII (IDEM, p.98, nota 124) ou, em alternativa, em pleno período terminal da Idade Média, pelos séculos XIV ou XV (ALMEIDA, 1987, p.118). Estas opiniões contrárias podem não ser, efectivamente, contraditórias, pois é natural que, numa construção de finais do século XII (como parece querer indicar o perfil da maioria dos modilhões), se tenha refeito os portais, como pensou Gerhard Graf (1986, vol.2, p.39).
Estruturalmente, a capela insere-se numa tipologia típica do Românico tardio e de resistência: dois corpos rectangulares justapostos, sendo a nave mais alta e larga que a capela-mor, com cobertura interior de madeira e telhado de duas águas assentando sobre pesada cachorrada de modilhões bastante decorados.
Estilisticamente, todavia, comporta elementos já claramente conotados com o Gótico. O principal exemplo deste novo "modo" artístico é dado pelo portal principal, de arco quebrado sem tímpano e composto por três arquivoltas de decoração distinta: "a interior afunilada, a segunda canelada e a terceira chanfrada na aresta e decorada com esferas" (ALVES, 1982, p.98), este último um motivo frequente em muitas construções tardo-medievais do Norte do país. Sobrepõe-se-lhe uma janela igualmente apontada, terminando a frontaria em empena triangular encimada por cruz axial.
Para os diversos autores que se têm dedicado a esta capela, o principal motivo de interesse não é a sua cronologia, mas sim a variada decoração dos seus modilhões, que constitui "uma das mais interessantes galerias de tipos "humanos" do românico português" (RODRIGUES, 1995, p.226). Com efeito, e ainda que se duvide da datação românica da obra, não parecem restar muitas dúvidas de que os elementos escultóricos da cachorrada continuam, de forma clara e qualitativamente excepcional, o gosto românico. Aguiar Barreiros e Jorge Rodrigues dedicaram-lhes especial atenção e evidenciaram tipologias e intenções iconográficas diferenciadas: a ironia e a teatralidade de homens de faces deformadas; o carnavalesco do humanizado gato sorridente; a virtude de um homem orando; as alusões morais e satíricas de bustos representando diferentes atitudes quotidianas; etc. Uma referência importante neste contexto é a que é dada pelo capitel do lado Sul do portal principal, onde se retratou o pecado original: duas cabeças humanas (representações sumárias de Adão e de Eva) envoltos por uma serpente.
Na segunda metade do século XVII, o templo voltou a ser objecto de obras. Refez-se o arco triunfal, provavelmente em 1678, e seguiu-se a encomenda do retábulo-mor, obra datada de 1688, e do frontal de altar.
PAF

Bibliografia

Título

História da Arte em Portugal - O Românico

Local

Lisboa

Data

2001

Autor(es)

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de

Título

O mundo românico (séculos XI-XIII), História da Arte Portuguesa, vol.1, Lisboa, Círculo de Leitores, 1995, pp.180-331

Local

Lisboa

Data

1995

Autor(es)

RODRIGUES, Jorge

Título

Portugal roman, vol. II

Local

-

Data

1986

Autor(es)

GRAF, Gerhard N.

Título

A capela românica de Moreira de Lima, O Comércio do Porto, 25/9/1977

Local

Porto

Data

1977

Autor(es)

LIMA, António Fernandes

Título

Monografia de Calheiros e Moreira de Lima

Local

Ponte de Lima

Data

1990

Autor(es)

MORAIS, Adelino Tito de

Título

A românica capela do Espírito Santo em Moreira de Lima

Local

Viana do Castelo

Data

1942

Autor(es)

-

Título

Igrejas e Capelas românicas da Ribeira Lima, Caminiana, ano IV, nº7, pp.47-118

Local

Caminha

Data

1982

Autor(es)

ALVES, Lourenço

Título

Inventário Artístico da Região Norte - III (Concelho de Ponte de Lima)

Local

Porto

Data

1974

Autor(es)

-

Título

Primeiras Impressões sobre a Arquitectura românica portuguesa, Revista da Faculdade de Letras do Porto, Série História, nº1, pp.3-56

Local

Porto

Data

1972

Autor(es)

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de

Título

Alto Minho

Local

Lisboa

Data

1987

Autor(es)

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de

Título

Arquitectura religiosa do Alto Minho, 2 vols.

Local

Viana do Castelo

Data

1987

Autor(es)

ALVES, Lourenço

Título

Egrejas e Capelas Românicas de Ribeira Lima

Local

Porto

Data

1926

Autor(es)

BARREIROS, Manuel de Aguiar

Título

História da Arte em Portugal, vol. 3 (o Românico)

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de