Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja de Ganfei - detalhe

Designação

Designação

Igreja de Ganfei

Outras Designações / Pesquisas

Igreja do Salvador de Ganfei / Mosteiro de Ganfei / Igreja Paroquial de Ganfei / Igreja do Divino Salvador(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Viana do Castelo / Valença / Ganfei

Endereço / Local

-- -
Lugar da Igreja

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 40 684, DG, I Série, n.º 146, de 13-07-1956 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O que resta da igreja do antigo Mosteiro de Ganfei é um dos mais elucidativos testemunhos da relação que a arte românica nacional do rio Minho estabeleceu com a vizinha e galega margem direita deste rio. Praticamente todos os autores que se debruçaram sobre este conjunto coincidiram na dependência estilística em relação à Sé de Tui (no campo escultórico) ou à igreja de São Bartolomeu de Rebordans (sobre a configuração dos pilares do corpo do templo (ALMEIDA, 2001, p.87)). A importância de Ganfei não é apenas artística, mas também geográfica, na medida em que se localizava na principal via Norte-Sul, entre Braga e Santiago de Compostela (ROSAS, 1991, p.320).
Este conjunto de factores, a que há que juntar o prestígio adquirido na época medieval - que levou o mosteiro a ser um dos mais poderosos de toda a região -, estará na origem do ambicioso programa arquitectónico da sua igreja, uma das poucas em todo o país românico a possuir um corpo de três naves e uma cabeceira tripartida, cuja capela-mor e absidíolos possuem dois tramos (IDEM, p.320). Na realidade, a organização espacial do templo insere-se na tipologia designada por "beneditina" (REAL, 1982), característica dos principais mosteiros nacionais do século XII ligados a esta Ordem. Lúcia Rosas, perante o maior alongamento que o habitual das naves e a maior dilatação do espaço entre pilares, colocou a hipótese de o resultado do corpo pertencer a uma reforma do século XIV, por iniciativa do abade Vicente Fernandez, e mais ou menos contemporânea de uma célebre estadia do conde de Barcelos, D. Pedro, no mosteiro (a quem a tradição atribui uma renovação do conjunto) (ROSAS, 1991, pp.323 e 326). A verdade, porém, é que não temos indicadores seguros desta campanha trecentista, nem tão pouco vestígios materiais. Por outro lado, a igreja de Ganfei diferencia-se das suas congéneres "beneditinas" (de Travanca ou de Paço de Sousa) por uma menor complexidade dos suportes das naves, facto que confere uma certa elegância à estrutura e a coloca numa linha evolutiva deste mesmo modelo (REAL, 1982, p.120).
A cronologia das obras parece confirmar uma fase relativamente tardia de evolução do esquema planimétrico e espacial "beneditino", como Manuel Real propôs. Ferreira de Almeida começou por lhe atribuir uma datação em torno dos meados da centúria (ALMEIDA, 1986, p.52), mas as análises mais recentes apontam para que a obra tenha sido realizada já nos finais do século (ALMEIDA, 2001, p.87), ou mesmo nos inícios de Duzentos.
Outra das marcas fundamentais deste templo é a sua escultura aplicada. Como monumento intimamente ligado à Galiza, os seus capitéis são o eco formal do estaleiro da Sé de Tui (ROSAS, 1987, vol.I, p.49), obra tutelar de todo o Românico da bacia do Minho ao longo da segunda metade do século XII. Eles caracterizam-se por uma escultura volumosa, ainda que não muito saliente do cesto, divergindo ligeiramente da exuberância que caracteriza os capitéis de Friestas e de Longosvales (ROSAS, 1987, vol.I, p.37). Apesar de não se vislumbrar qualquer programa iconográfico coerente, encontramos temas comuns em outras áreas românicas nacionais, como Aves bebendo da mesma taça ou um Homem sentado em atitude meditativa, composição que Manuel Monteiro identificou em outras igrejas galegas e que associou ao Caminho de Santiago (MONTEIRO, 1945, republ. 1980, p.321).
O mosteiro de Ganfei foi substancialmente adulterado na época moderna. Entre 1632 e 1761, ao longo de mais um século, construíram-se o claustro, o grosso do edifício conventual, a nova fachada principal (datada de 1693) e a ampla capela-mor, rectangular e barroca, que alterou, por completo, a espacialidade e iluminação originais do templo. Em 1760, no termo desta empreitada, transferiram-se solenemente as relíquias de São Ganfei para a nova capela-mor, cerimónia que simbolizou o fim das obras e a renovada imagem do mosteiro.
PAF

Bibliografia

Título

La sculpture figurative dans l'art roman du Portugal, Portugal roman, vol. I, pp.33-75

Local

-

Data

1986

Autor(es)

REAL, Manuel Luís

Título

Influências da Galiza na arte românica portuguesa, Actas das II Jornadas luso-espanholas de História Medieval, vol. IV, pp.1483-1526

Local

Porto

Data

1990

Autor(es)

REAL, Manuel Luís, ALMEIDA, Maria José Perez Homem de

Título

História da Arte em Portugal - O Românico

Local

Lisboa

Data

2001

Autor(es)

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de

Título

O Minho Pittoresco

Local

Lisboa

Data

1887

Autor(es)

VIEIRA, José Augusto

Título

O mundo românico (séculos XI-XIII), História da Arte Portuguesa, vol.1, Lisboa, Círculo de Leitores, 1995, pp.180-331

Local

Lisboa

Data

1995

Autor(es)

RODRIGUES, Jorge

Título

Portugal roman, vol. II

Local

-

Data

1986

Autor(es)

GRAF, Gerhard N.

Título

Arquitectura Românica de Entre Douro e Minho

Local

Porto

Data

1978

Autor(es)

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de

Título

As obras seiscentistas no Mosteiro de São Salvador de Ganfei, Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 2ª Série, vol. VIII, pp.319-326

Local

Porto

Data

1991

Autor(es)

ROSAS, Lúcia Maria Cardoso

Título

A escultura românica das igrejas da margem esquerda do Rio Minho, 2 vols.

Local

Porto

Data

1987

Autor(es)

ROSAS, Lúcia Maria Cardoso

Título

Primeiras Impressões sobre a Arquitectura românica portuguesa, Revista da Faculdade de Letras do Porto, Série História, nº1, pp.3-56

Local

Porto

Data

1972

Autor(es)

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de

Título

Valença do Minho

Local

Póvoa do Varzim

Data

1978

Autor(es)

OLIVEIRA, A. Lopes de

Título

A comarca eclesiástica de Valença do Minho: antedentes da diocese de Viana do Castelo, I Colóquio Galaico-Minhoto (Ponte de Lima, 1981), pp.72-240

Local

Braga

Data

1983

Autor(es)

COSTA, Avelino de Jesus da

Título

Igrejas e capelas românicas da Ribeira Minho, Caminiana, ano IV, nº6, pp.105-152

Local

Caminha

Data

1982

Autor(es)

ALVES, Lourenço

Título

A Exploração de um Domínio Senhorial - o Mosteiro de Ganfei durante o Antigo Regime, Estudos Regionais, nº15, pp.135-142

Local

Viana do Castelo

Data

1994

Autor(es)

SILVA, Célia Taborda

Título

Alto Minho

Local

Lisboa

Data

1987

Autor(es)

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de

Título

Arquitectura religiosa do Alto Minho, 2 vols.

Local

Viana do Castelo

Data

1987

Autor(es)

ALVES, Lourenço

Título

Dispersos, inéditos e cartas

Local

Braga

Data

1980

Autor(es)

MONTEIRO, Manuel

Título

História da Arte em Portugal, vol. 3 (o Românico)

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de

Título

Valença na História e na Lenda

Local

Valença do Minho

Data

1990

Autor(es)

NEVES, Manuel Augusto A. Pinto