Saltar para o conteúdo principal da página

Pelourinho de Benavente - detalhe

Designação

Designação

Pelourinho de Benavente

Outras Designações / Pesquisas

Pelourinho de Benavente (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Pelourinho

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Santarém / Benavente / Benavente

Endereço / Local

Praça do Município
Benavente

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 23 122, DG, I Série, n.º 231, de 11-10-1933 (ver Decreto) Ver inventário elaborado pela ANBA

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O primeiro foral de Benavente foi outorgado à povoação por D. Paio Pires, mestre da então Ordem Militar de Évora (ou dos Freires de Évora), mais tarde Ordem de São Bento de Avis, em 1200; este privilégio seria confirmado por D. Sancho I em 1218. Recebeu Foral Novo, dado por D. Manuel, em 1516, na sequência do qual terá sido erguido o pelourinho que ainda hoje aí se pode apreciar. Levantado originalmente no largo principal da terra, diante da Casa da Câmara medieval e da antiga Igreja Matriz, foi apeado e remontado no século XVII, desta feita junto ao edifício dos novos Paços do Concelho, na Praça Nova, actual Praça do Município. Seria novamente apeado em 1874, durante as obras de ampliação do prédio camarário; neste processo perderam-se vários componentes do monumento. Os restantes elementos só foram remontados em 1954, juntamente com algumas peças de factura moderna, tentando-se preservar a feição original do pelourinho manuelino.
O soco é hoje constituída por quatro degraus octogonais, sabendo-se, através do Tombo do Concelho de 1574, que estes eram antigamente cinco degraus de planta circular: o pelourinho era aí descrito como sendo "de muito boa pedra lavrada, alto com os seus ferros, e grimpa, e Cruz de São Bento com suas pomas douradas, com cinco degraus a redondo da mesma pedraria". A base do fuste, octogonal e rematada por escócia e toro, está colocada sobre uma plataforma elevada, também octogonal, ao modo de quinto degrau, e aparentemente de factura recente. É inteiramente decorada com motivos vegetalistas estilizados. Sobre esta ergue-se o fuste, cilíndrico e espiralado, em dois troços unidos por um anel central duplo, ornado de botões e florões. O capitel é octogonal, igualmente decorado com florões, e rematado por ábaco octogonal de moldura saliente. Suporta um pináculo espiralado, com uma faixa de botões na base, rematado por esfera armilar e cruz em ferro. Não conserva já os ferros de sujeição, e a cruz não será a original, a primitiva cruz de São Bento (cruz flordelisada com braços iguais), "com suas pomas douradas", como se pode verificar. SML

Imagens

Bibliografia

Título

Os Pelourinhos. Elementos para o seu catálogo geral

Local

Lisboa

Data

1938

Autor(es)

CHAVES, Luís

Título

Benavente, estudo histórico-descritivo

Local

Lisboa

Data

1924

Autor(es)

AZEVEDO, Rui Pinto de, AZEVEDO, Álvaro Rodrigues de