Saltar para o conteúdo principal da página

Estação da Mala-Posta do Casal dos Carreiros - detalhe

Designação

Designação

Estação da Mala-Posta do Casal dos Carreiros

Outras Designações / Pesquisas

Estação da Malaposta do Casal dos Carreiros / Estação da Malaposta do Casal dos Carreiros (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Estação de Malaposta

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Leiria / Caldas da Rainha / A dos Francos

Endereço / Local

Estrada Nacional n.º 366
Carreiros

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 129/77, DR, I Série, n.º 226, de 29-09-1977 (ver Decreto)
Edital de 5-11-1975 da CM das Caldas da Rainha
Despacho de homologação de 25-09-1974 do Secretário de Estado dos Assuntos Culturais e Investigação Científica
parecer de 21-06-1974 da 4.ª Subsecção da 2.ª Secção da JNE a propor a classificação desta estação como IIP
Despacho de homologação de 13-03-1973 do Secretário de Estado da Juventude e Desportos
Proposta de 16-02-1973 da 4.ª Subsecção da 2.ª Secção da JNE para classificação de todas as estações de malaposta existentes no país

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Edificada entre 1855 e 1856, a estação da Mala-Posta dos Carreiros inaugurou uma fase dos transportes de correio e passageiros, em que as estações de muda de cavalos apresentavam uma maior unidade arquitectónica, e dispunham de melhores condições para receber os viajantes que pretendiam cear e pernoitar.
A extinção do Correio-Mor, que durante dois séculos esteve na órbita da família Gomes da Mata e que, depois de 1797, passou a ser administrado pelo Estado, inscreve-se no mesmo processo de desenvolvimento da Mala-Posta, acompanhando a tendência natural para a utilização de diligências, em substituição dos correios a pé ou a cavalo, que se verificava há muito noutros países da Europa. O novo impulso de que este meio de comunicação foi objecto, a partir de 1852, deve-se à iniciativa do Ministro das Obras Públicas, António Fontes Pereira de Melo.
A estação do casal dos Carreiros era uma das 23 que existia na estrada que ligava Lisboa ao Porto, a qual demorava, em 1859, 34 horas a percorrer. Com a inauguração da linha de caminho de ferro, em 1864, a Mala-Posta deixou de fazer sentido, embora se tivesse mantido em actividade durante mais algum tempo.
Este edifício tipifica outros que encontramos pelo país, de linhas depuradas e onde prevalece o sentido utilitário. Apresenta planta em U e alçados com cunhais almofadados, abertos por vãos de lintel semicircular. No interior, o espaço do corpo central era ocupado pela sala e os volumes laterais articulavam as zonas de serviço com os quartos e a casa de banho.
(Rosário Carvalho)

Imagens

Bibliografia

Título

A Mala-Posta em Portugal

Local

Lisboa

Data

1946

Autor(es)

FERREIRA, Godofredo