Saltar para o conteúdo principal da página

Pelourinho de Pombal - detalhe

Designação

Designação

Pelourinho de Pombal

Outras Designações / Pesquisas

Pelourinho de Pombal(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Pelourinho

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Leiria / Pombal / Pombal

Endereço / Local

-- fragmentos guardados no Claustro da Câmara Municipal de Pombal
Pombal

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 23 122, DG, I Série, n.º 231, de 11-10-1933 (ver Decreto) Ver inventário elaborado pela ANBA

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O primeiro foral de Pombal foi dado em 1174 pelos Templários, que detinham o senhorio da povoação desde a doação feita em c. 1160 a D. Gualdim Pais, mestre da Ordem, por D. Afonso Henriques. Pombal recebeu foral novo de D. Manuel, em 1512, na sequência do qual terá sido erguido um pelourinho. Nada se sabe acerca deste monumento, que foi supostamente substituído por um outro, setecentista, atribuído ao senhorio do Marquês de Pombal, que aqui viveu entre 1777 e 1782, e procedeu à ordenação da parte baixa da vila. Ao Marquês deve-se a construção da cadeia (conhecida por Cadeia Velha) e do celeiro, na Praça Velha da povoação, hoje Praça Marquês de Pombal. Aqui se erguia supostamente o antigo pelourinho quinhentista, e aqui terá sido igualmente levantado o outro, que depois foi deslocado para o pequeno Largo do Pelourinho, junto à estação ferroviária. Existem ainda referências à sua localização na Rua das Canas, em 1876. O monumento encontra-se actualmente em fragmentos, alguns destes conservados nos claustros do Convento do Cardal, onde estão instalados os Paços do Concelho. Entre estes fragmentos está um troço do fuste, oitavado, e ainda uma pedra que pode ter pertencido ao remate. Segundo consta, um outro troço do fuste está incrustada num muro do castelo da localidade.
Na última década do século XX foi erguido um pelourinho moderno, no largo do mesmo nome, da autoria do escultor Soares Branco. Este pelourinho não se encontra classificado; a classificação respeita aos fragmentos do anterior monumento. SML

Imagens

Bibliografia

Título

Pelourinhos Portugueses, Tentâmen de Inventário Geral

Local

Lisboa

Data

1997

Autor(es)

MALAFAIA, E. B. de Ataíde