Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja de São Pedro - detalhe

Designação

Designação

Igreja de São Pedro

Outras Designações / Pesquisas

Igreja Paroquial de São Pedro de Peniche / Igreja de São Pedro(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Leiria / Peniche / Peniche

Endereço / Local

Rua José Estêvão
Peniche

Largo Castilho
Peniche

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 2/96, DR, I Série-B, n.º 56, de 6-03-1996 (ver Decreto)
Edital N.º 28 de 29-06-1992 da CM de Peniche
Edital N.º 24/90 de 5-07-1990 da CM de Peniche
Despacho de concordância de 29-05-1990 do Secretário de Estado da Cultura
Despacho de concordância de 21-05-1990 do presidente do IPPC
Parecer de 26-04-1990 da 9.ª Secção do Conselho Consultivo do IPPC a propor a classificação como IIP
Em 27-04-1987 a CM de Peniche enviou a documentação solicitada
Em 2-02-1987 foi solicitado à CM de Peniche o envio de documentação para instrução de um processo de classificação

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Durante praticamente toda a Idade Média, e até ao início do século XV, o espaço que viria a constituir a povoação Peniche foi uma ilha, situada na foz do rio São Domingos, sendo então o povoado de Atouguia o mais importante aglomerado urbano da região. No entanto, a partir da centúria de Quatrocentos, foi-se dando o progressivo assoreamento do canal existente entre Peniche e a Atouguia, constituindo-se em 1438, por ordem de D. Duarte, o porto de Peniche (CALADO, Mariano, 1996, p. 71).
Foi a partir daqui que se formou o primeiro núcleo urbano da vila, denominado Ribeira. Mais tarde, o aglomerado urbano expandiu-se para a zona mais alta da povoação, que corresponde a Peniche-o-Velho. Este crescimento urbano e populacional derivou da exploração dos recursos naturais da península de Peniche, nomeadamente a pesca, a agricultura e a construção naval.
Os primeiros templos terão sido edificados em meados do século XV, integrando-se neste conjunto possivelmente a Capela do Espírito Santo. Foi precisamente no local desta capela que em 1589 se fundou a Igreja de São Pedro, cuja construção da estrutura estaria concluída cerca de 1593.
O templo paroquial apresenta um corpo central rectangular disposto longitudinalmente, que corresponde aos espaços da nave e da capela-mor, ao qual foram adossados lateralmente a sacristia e uma sala de arrumações.
A fachada principal apresenta um modelo de linhas robustas, dividido em três panos, que correspondem à disposição das naves. Os panos laterais possuem dois torreões, o da direita com sineira. Ao centro foi aberto um nártex com duas colunas alteado ao centro. Sobre este foi rasgado um óculo, e o frontispício é terminado em empena. As fachadas laterais são marcadas pela disposição de portas no primeiro registo e cinco janelas rectangulares de cada lado.
O espaço interior divide-se por três naves cobertas por tecto de madeira, marcadas por cinco tramos que assentam sobre colunas toscanas. No interior da torre do lado do Evangelho foi edificada uma capela baptismal, com cúpula, onde foi colocado um painel figurativo de azulejos azuis e brancos, de feitura setecentista, proveniente do Convento de São Bernardino (SEQUEIRA, 1955). Na torre oposta foi construída a escada de acesso ao coro-alto.
A capela mor é coberta por abóbada, sendo esta decorada com pinturas de motivos de gosto neoclássico que se estendem pelas paredes laterais. Aqui foi também disposto um cadeiral de madeira, da mesma proveniência dos azulejos do baptistério.
No programa decorativo do templo destacam-se as telas emolduradas por talha, que representam cenas da vida de São Pedro, estando uma assinada com a seguinte inscrição, PINTOR Pº PEIXOTO. E. DE 1711 (Idem, ibidem). Possui altares colaterais em talha dourada, com frontão em arco pleno, e altares laterais da mesma tipologia, com frontão triangular. Possui ainda uma imagem de Nossa Senhora da Boa Viagem, de grande devoção entre a comunidade piscatória da vila.
Catarina Oliveira
GIF/IPPAR/2006

Bibliografia

Título

Peniche na história e na lenda

Local

Peniche

Data

1991

Autor(es)

CALADO, Mariano

Título

Inventário Artístico de Portugal, vol. V (Distrito de Leiria)

Local

Lisboa

Data

1955

Autor(es)

SEQUEIRA, Gustavo de Matos

Título

Os 350 anos da fortaleza de Peniche e a génese da sua construção, Actas do 1º Seminário do Património da Região Oeste

Local

Bombarral

Data

1996

Autor(es)

CALADO, Mariano