Saltar para o conteúdo principal da página

Palácio Azurara, também denominado «Museu-Escola de Artes Decorativas da Fundação Ricardo Espírito Santo» - detalhe

Designação

Designação

Palácio Azurara, também denominado «Museu-Escola de Artes Decorativas da Fundação Ricardo Espírito Santo»

Outras Designações / Pesquisas

Palácio Azurara / Museu - Escola de Artes Decorativas da Fundação Ricardo Espírito Santo(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Palácio

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Lisboa / Santa Maria Maior

Endereço / Local

Largo das Portas do Sol
Lisboa

Número de Polícia: 2

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 45/93, DR, I Série-B, n.º 280, de 30-11-1993 (ver Decreto)

ZEP

Despacho de 18-10-2011 do diretor do IGESPAR, I.P. a concordar com o parecer e a devolver o processo à DRC de Lisboa e Vale do Tejo para apresentar propostas de ZEP individuais, ou conjuntas nos casos em que tal se justifique
Parecer de 10-10-2011 da SPA do Conselho Nacional de Cultura a propor o arquivamento
Proposta de 22-08-2006 da DR de Lisboa para a ZEP conjunta do Castelo de São Jorge e restos das cercas de Lisboa, Baixa Pombalina e imóveis classificados na sua área envolvente

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

É um característico exemplar da arquitectura portuguesa do século XVII, com intervenções posteriores. Foi habitação de famílias nobres, tendo pertencido ao visconde de Azurara em finais do século XVIII, depois de restaurados os danos causados pelo terremoto de 1755; actualmente alberga o Museu-escola de Artes Decorativas da Fundação Ricardo Espírito Santo, depois de ter passado por várias mãos e utilizações. Na fachada nobre, voltada para o Largo das Portas do Sol, destaca-se um pórtico monumental, seiscentista, encimado por frontão triangular e volutas. No interior, além do espólio do Museu, existem ainda conjuntos azulejares oriundos da antiga capela do Palácio, que integrou uma torre da cerca moura (lado norte) e um pátio pavimentado cobrindo uma cisterna com poço. No átrio, salienta-se um grande arco aberto na espessura da cerca e a escadaria principal quer conduz à "loggia". Importa referir a importância histórica e cultural da malha urbana em que harmonicamente se enquadra. SML

Imagens